Tecnologia

Riscos do 5G à saúde: Eis o que dizem os especialistas

Existe motivo de preocupação?

Este foi um ano marcante relacionado aos potenciais riscos do 5G à nossa saúde, foi apresentado um turbilhão de emoções e expectativas relacionados à nova tecnologia, como ela mudará vidas, onde as redes 5G estão sendo lançadas em todo o mundo e quando exatamente o seu smartphone será capaz de alcançar velocidades extremamente rápidas. Mas algumas pessoas estão preocupadas porque o lançamento do 5G está ocorrendo muito rapido, e que não entendemos realmente se ou como o lançamento da conectividade de próxima geração trará consequências indesejadas à saúde.

A resposta curta: O consenso científico é que o 5G, como 3G e 4G antes, não é prejudicial à sua saúde. Em agosto, a Federal Communications Commission (FCC) dos EUA determinou oficialmente que as ondas de rádio do 5G são seguras.

Mas essa descoberta provavelmente não irá conter a maré de preocupações com a implantação do 5G, especialmente quando mais telefones 5G chegam ao mercado e a cobertura se torna mais generalizada.

Por que as pessoas estão preocupadas com o fato de o 5G não ser seguro?

As primeiras redes 5G – incluindo as lançadas pela AT&T, Verizon e T-Mobile – usam espectro de ondas milimétricas (mmWave) de alta frequência para fornecer velocidades mais rápidas. Algumas pessoas estão preocupadas com o fato de essas ondas de rádio, juntamente com a infraestrutura celular adicional necessária para construir redes 5G baseadas em mmWave nas principais cidades, aumentarem a quantidade de radiação no ambiente.

O espectro de ondas milimétricas nunca foi usado para telecomunicações. No entanto, isso não é porque é perigoso; as bandas de frequência mais alta não são tão eficazes na transmissão de dados através de distâncias. Um sinal 5G baseado em mmWave não pode penetrar objetos, como janelas de vidro ou edifícios de concreto. Também não pode penetrar no corpo.

Veja Mais: Telefones 5G ultrapassam os de 4G em 2023

As preocupações sobre os riscos do 5G à saúde são uma extensão das preocupações que algumas pessoas têm sobre os celulares em geral.

Citação “O consenso científico é que não existem riscos conhecidos para a saúde de todas as formas de energia de RF nos níveis baixos aprovados para o uso diário do consumidor.” Porta-voz da CTIA

Mas 5G é uma forma de radiação, certo?

Existem dois tipos de radiação: ionizante e não ionizante. A radiação ionizante de ultra-alta frequência – que inclui raios gama, raios UV do sol e raios X – é prejudicial aos seres humanos porque penetra no corpo no nível celular e faz com que elétrons e átomos se separem. A radiação ionizante pode causar câncer, e é por isso que você deve usar protetor solar ao ar livre e evitar raios-X médicos desnecessários.

A radiação não ionizante não causa câncer e varia desde as ondas de rádio FM até a luz visível. Entre os dois está o 5G, que opera com uma frequência ligeiramente superior à 3G e 4G.

A FCC exige que todos os equipamentos eletrônicos vendidos nos EUA atendam aos padrões de segurança da agência para energia de radiofrequência (RF) aceitável, determinando a taxa de absorção específica (SAR) do dispositivo ou a taxa pela qual o corpo absorve a energia de RF. Recentemente, a FCC reavaliou seus padrões, criados em 1996, ao determinar os riscos do 5G à saúde.

Os limites de exposição à RF recomendados permanecem inalterados.

“O consenso científico é que não há riscos conhecidos para a saúde de todas as formas de energia de RF nos níveis baixos aprovados para o uso diário do consumidor”, disse um porta-voz da CTIA, um grupo comercial para o setor de comunicações sem fio, em comunicado por e-mail. “A FCC regula as emissões de RF, incluindo ondas milimétricas de dispositivos e equipamentos 5G, e adotou as recomendações de organizações científicas especializadas que revisaram a ciência, incluindo dezenas de estudos focados especificamente em ondas milimétricas e estabeleceram níveis de exposição seguros”.

O que está provocando o medo da tecnologia e os riscos do 5G à saúde?

Existem alguns fatores que contribuem para a preocupação – ou medo absoluto – dos efeitos do 5G.

A primeira é a pesquisa científica que foi interpretada por alguns como apoio à preocupação com a radiação do telefone celular. Por exemplo, um estudo de 2018 divulgado pelo Programa Nacional de Toxicologia (NTP) descobriu que, quando ratos e camundongos eram expostos a ondas de radiofrequência como as que emanam dos celulares, eles desenvolviam tumores malignos. Este estudo em particular analisou os telefones 2G e 3G. No entanto, isso não significa que o 5G causará tumores cancerígenos em humanos.

“As exposições usadas nos estudos não podem ser comparadas diretamente à exposição que os seres humanos experimentam ao usar um telefone celular”, disse John Bucher, cientista sênior do NTP, ao anunciar os resultados. “Em nossos estudos, ratos e camundongos receberam radiação de radiofrequência em todo o corpo. Por outro lado, as pessoas são expostas principalmente em tecidos locais específicos próximos ao local onde seguram o telefone. Além disso, os níveis e durações de exposição em nossos estudos foram maiores. do que aquilo que as pessoas experimentam”.

Veja Mais: 5G está entre nós, o que isso significa para a tecnologia exponencial

O NTP disse que planeja desenvolver estudos completos para avaliar os Riscos do 5G à saúde.

A Agência Internacional para Pesquisa do Câncer da Organização Mundial da Saúde classificou as ondas de RF dos celulares como um possível agente cancerígeno, que é outro fator que contribui para as preocupações com o 5G. Mas, por contexto, um ingrediente no café também é considerado um possível agente cancerígeno. A carne vermelha é classificada como um provável agente cancerígeno, o que significa que tem uma ligação mais forte com o câncer do que os celulares.

O New York Times informou no início deste ano que um dos principais propagadores sobre os riscos do 5G à saúde é a propaganda russa que se espalha no YouTube, Facebook e blogs pela Internet. Vídeos e artigos de notícias cheios de informações erradas assustam os consumidores dos EUA, enquanto a Rússia prossegue com seus próprios planos 5G.

Existem estudos para provar que não há riscos do 5G para saúde dos seres humanos?

O 5G é um novo padrão para comunicação sem fio, mas do ponto de vista tecnológico, não é tão diferente do 3G e 4G. As ondas de radiofrequência dos celulares 5G são semelhantes às ondas de RF dos dispositivos LTE (ou seja, não ionizantes). Segundo a Sociedade Americana de Câncer, a maioria dos estudos mostrou que “as ondas de RF emitidas pelos telefones celulares não têm energia suficiente para danificar o DNA diretamente ou aquecer os tecidos do corpo”.

Em 2000, um estudo agora desmembrado sobre o efeito das ondas de rádio no tecido cerebral alimentou as teorias da conspiração sobre telefones celulares e radiação. O autor do estudo, físico Bill Curry, afirmou que os dispositivos sem fio podem causar câncer no cérebro em humanos. De acordo com o The New York Times, Curry deixou de levar em conta que nossa pele protege nossos tecidos internos das ondas de rádio de alta frequência (que é, novamente, por que você precisa usar filtro solar para proteger a pele dos raios UV ainda mais freqüentes) .

Veja Mais: Experimento 5G deixa centenas de aves mortas na holanda

No entanto, como as redes 5G agora estão decolando com uma nova lista de telefones 5G, nenhum estudo de longo prazo da rede ou dos dispositivos e seus efeitos sobre os seres humanos foi realizado. Além disso, os tipos de dispositivos que usamos e a maneira como os usamos estão mudando constantemente. Por esse motivo, céticos como Joel Moskowitz, diretor do Centro de Saúde da Família e da Comunidade da Universidade da Califórnia, Escola de Saúde Pública de Berkeley, estão pedindo uma interrupção no lançamento da 5G.

Moskowitz disse que seria antiético conduzir um estudo científico conclusivo sobre seres humanos que controlam os efeitos na saúde da radiação do telefone celular, de modo que os pesquisadores confiam em estudos observacionais e em animais. Esses estudos não provaram conclusivamente que os celulares são prejudiciais aos seres humanos, mas Moskowitz acha que há evidências suficientes para “colocar uma moratória na implantação de novas tecnologias”, como a construção da infraestrutura 5G até que mais pesquisas sejam feitas.

“Estou certo de que, nos próximos cinco anos, a radiação de radiofrequência será declarada pelo menos provavelmente cancerígena [pela OMS]”, disse Moskowitz.

Mas Christopher Collins, professor do departamento de radiologia da Universidade de Nova York que estuda a segurança dos campos eletromagnéticos, disse que a falta de pesquisas específicas sobre 5G não significa que os pesquisadores estejam começando do zero ao avaliar os efeitos potenciais do 5G na saúde humana.

“Muitas das premissas das pessoas que defendem os campos 5G ou de comunicação sem fio em geral parecem sugerir que simplesmente não sabemos e precisamos fazer mais estudos”, disse Collins. “Sabemos muito. Fazemos experimentos em humanos e animais há décadas em todo esse espectro”.

Collins disse que os cientistas “nunca querem dizer que o livro está fechado”, mas com base no que já sabemos, não há evidências que sugiram que o 5G cause câncer ou outros efeitos prejudiciais à saúde na maioria das pessoas.

Então, por que alguns governos locais estão impedindo o desenvolvimento do 5G?

Antes da determinação de segurança 5G da FCC, as autoridades municipais e estaduais recebiam informações dos moradores preocupados com o fato de não se conhecer o suficiente sobre o 5G. Especificamente, as pessoas estão preocupadas com o fato de a densidade de pequenas células necessárias para construir redes 5G baseadas em mmWave emitirem quantidades perigosas de radiação.

O plano 5G FAST da FCC, que exige que os municípios aproveam os sites de células 5G dentro de 60 a 90 dias, causou preocupação. As operadoras estão se movendo rapidamente para construir infraestrutura sem notificar os moradores, informou o Wall Street Journal, e os legisladores locais estão recuando. Cerca de 90 cidades e condados entraram com uma ação contra a FCC em um caso atualmente pendente no Tribunal de Apelações do Nono Circuito.

Os proprietários podem não querer novas antenas fora de suas casas por razões estéticas, ou porque desejam aviso prévio quando ocorrem mudanças em suas comunidades, mas a FCC, os grupos comerciais da indústria e muitos cientistas afirmam que não há risco comprovado para a saúde.

Veja mais: Riscos do 5G: O dano que a tecnologia pode causar, segundo técnico que instala antenas

“A exposição típica a dispositivos 5G – como pequenas células conectadas a postes telefônicos ou nas laterais de edifícios – está muito abaixo dos níveis permitidos e é comparável a dispositivos Bluetooth e monitores de bebês”, disse o porta-voz da CTIA. “A FCC continua monitorando a ciência para garantir que seus regulamentos protejam a saúde pública”.

Ou, como Chris Collins da NYU colocou:

Uma coisa que sabemos que pode causar câncer é a luz solar. As pessoas geralmente fariam melhor em se preocupar com isso do que com os níveis de exposição que estamos falando com os celulares. Se você está mais preocupado com a estação base do seu prédio do que com uma hora sob o sol do meio-dia sem proteção, convém pensar em suas prioridades “.

Conclusão

Cientistas e pesquisadores continuarão estudando ondas de radiofrequência, incluindo 5G, para adicionar ao corpo de pesquisa existente. Mas, sem provas concretas e replicáveis de que a radiação de telefones celulares ou redes sem fio cause sérios efeitos adversos à saúde em humanos, disse Collins, não há razão para interromper o lançamento do 5G.

“É hora de parar de questionar? Não, nunca é hora de parar de questionar”, disse ele. “É importante lembrar que, com base no que sabemos agora, não há efeito, exceto no aquecimento. Isso se baseia em décadas de estudo nessas áreas. Outra coisa a dizer é: ‘Devemos parar o progresso?’ com base no que eu chamaria de preocupações infundadas. Estou certo de que não há nada para se alarmar com ondas milimétricas”.

Se você estiver preocupado, existem maneiras de atenuar sua exposição pessoal à radiação do celular usando menos dispositivos sem fio. Isso também pode fazer maravilhas para a sua saúde mental.

Texto publicado originalmente no site Tom’s Guide escrito por Caitlin McGarry

Via
Tom's Guide
Fonte
Instituto Nacional Americano do CâncerDepartamento de Trabalho dos Estados UnidosInstituto Nacional de Ciências da Saúde AmbientalDepartamento de Saúde e serviços humanos americanoWall Street Journal
Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: