Erro no banco de dados do WordPress: [UPDATE command denied to user 'u509014324_eder'@'127.0.0.1' for table 'wp_options']
UPDATE `wp_options` SET `option_value` = '1576480545.2659540176391601562500' WHERE `option_name` = '_transient_doing_cron'

Células imunológicas geneticamente modificadas combatem vírus mortais em camundongos • Suprimatec
Ciência

Células imunológicas geneticamente modificadas combatem vírus mortais em camundongos

Pesquisadores podem ter demonstrado com células imunológicas geneticamente modificadas, uma nova maneira de nos proteger de alguns dos vírus mais letais do mundo. Ao modificar as células do sistema imunológico para produzir anticorpos mais eficazes, eles defenderam os ratos de um vírus pulmonar potencialmente letal. A mesma estratégia poderia funcionar em humanos contra doenças para as quais não há vacinas.

“É um grande avanço”, diz o imunologista James Voss, do Instituto de Pesquisa Scripps, em San Diego, Califórnia, que não estava conectado ao estudo.

As vacinas geralmente contêm um invasor microbiano deficiente ou fragmentos de suas moléculas. Eles estimulam as células imunes conhecidas como células B a produzir anticorpos que atacam o patógeno. Nem todo mundo que recebe uma vacina ganha proteção, no entanto. Os anticorpos de alguns pacientes não chegam a ser exagerados, por exemplo. E os pesquisadores não conseguiram desenvolver vacinas contra alguns micróbios, como o HIV e o vírus sincicial respiratório (RSV), que causa infecções pulmonares principalmente em crianças e pessoas com sistemas imunológicos debilitados.

CRISPR usado em humanos pela primeira vez nos Estados Unidos

No novo estudo, o imunologista Justin Taylor, do Centro de Pesquisas sobre o Câncer Fred Hutchinson, em Seattle, Washington, e seus colegas testaram se poderiam projetar células B para recriar um anticorpo já conhecido por ser potente contra o RSV. Com o sistema de edição de genoma CRISPR, eles cortam um dos genes de anticorpos em células B de camundongos. Os cientistas então usaram um vírus para transportar um gene para o anticorpo anti-RSV nas células.

Depois que o gene inserido se estabeleceu em posição no DNA fatiado, ele começou a funcionar e as células B produziram o anticorpo direcionado para o RSV. Usando a mesma abordagem, os cientistas também poderiam estimular células B humanas a criar anticorpos contra outros três vírus, incluindo o HIV e um tipo de vírus da gripe. “Temos eficiências incrivelmente altas”, diz Taylor, com até 60% de células produzindo o anticorpo adicionado, maior do que em estudos anteriores que tentaram projetar células B.

Para determinar se o transplante das células imunológicas geneticamente modificadas poderia prevenir infecções, os cientistas injetaram as células B geneticamente modificadas ou controlaram as células em camundongos e, em seguida, expuseram os animais ao RSV. Cinco dias depois, os pulmões dos ratos de controle estavam cheios do vírus. Mas os pulmões de ratos que receberam as células geneticamente modificadas quase não continham RSV, relatam os pesquisadores hoje em Science Immunology. E quando os pesquisadores injetaram as células B modificadas em camundongos com sistemas imunológicos defeituosos – um problema comum em receptores de medula óssea, que são suscetíveis a VSR – os roedores foram capazes de combater o vírus 82 dias depois.

Nenhuma vacina contra o HIV existe, mas algumas pessoas expostas ao vírus naturalmente produzem anticorpos extremamente potentes contra o vírus. A abordagem das células B pode permitir que os pesquisadores aproveitem esses anticorpos e, assim, forneçam proteção contra a infecção pelo HIV. Planejar as células para produzir anticorpos diferentes pode afastar outras doenças causadas por vírus que escaparam das vacinas.



“Este é um artigo importante”, diz o imunoengenheiro Michael Goldberg, CEO da startup de biotecnologia STIMIT em Cambridge, Massachusetts. Ele está otimista de que as células acabarão sendo usadas em pessoas. “Espero que, um dia, as crianças vão ao consultório do seu pediatra para receber células B modificadas que expressam os anticorpos mais conhecidos para proteção contra a maioria das cepas de certos vírus.”

Mas o engenheiro de genoma Branden Moriarity, da Universidade de Minnesota, em Minneapolis, sugere que a abordagem pode ser tão cara – tratamentos contra o câncer que dependem de outras células imunológicas projetadas custam centenas de milhares de dólares – que não será prático. “As pessoas não usarão células B projetadas profilaticamente em um futuro próximo”.

Publicado originalmente emScience Mag

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar