Ciência

Pessoas geneticamente modificadas seria algo ético?

“Minha primeira reação com pessoas geneticamente modificadas foi: ‘Isso é muito ruim’”, lembra Liao, professor de bioética, filósofo moral e diretor do Centro de Bioética da Faculdade de Saúde Pública Global da Universidade de Nova York.

Primeiro, diz Liao, o cientista violou vários protocolos éticos – incluindo princípios básicos como a transparência na pesquisa e os padrões internacionais desenvolvidos na Cúpula Internacional de 2015 sobre a edição de genes humanos.

Segundo, ele usou um procedimento de edição de genes – conhecido como CRISPR-cas9 – que não foi provado como seguro.

E, terceiro, a intervenção não era medicamente necessária. Devido aos avanços no tratamento, as pessoas que vivem com o HIV podem viver vidas plenas e produtivas, e o esperma de homens infectados pelo HIV pode ser “lavado” para remover o vírus HIV (uma técnica usada com o pai das meninas).

Ainda assim, sob as circunstâncias certas, Liao, que serviu por dois anos no Hinxton Group, que facilita a colaboração na pesquisa de células-tronco, acredita que a engenharia genética pode ser usada de maneira ética. E, em um artigo em Bioética, ele propõe uma abordagem baseada em direitos humanos para avaliar quais circunstâncias estão certas.

Pessoas geneticamente modificadas: Estabelecendo regras

O artigo se baseia nos escritos anteriores de Liao, incluindo seu livro O Direito de Ser Amado(The Right to Be Loved) (Oxford Press, 2015), no qual ele defende que as crianças, como seres humanos, têm o direito a certas “condições fundamentais” necessárias para buscar uma boa vida (o amor é uma dessas condições, de acordo com Liao; assim são a comida, a água e o ar).

No artigo, Liao aplica a mesma abordagem à edição de genes e argumenta que parte das condições fundamentais necessárias para ter uma vida boa são as chamadas “capacidades fundamentais”, que podem incluir, mas não se limitam a: capacidade de agir, mover, reproduzir, pensar, ser motivado, ter emoções, interagir com os outros e o ambiente, e ser moral.

“A ideia básica é que, se pensarmos sobre o que os seres humanos precisam para buscar uma vida boa, talvez a partir daí possamos gerar alguns princípios que podem nos guiar na engenharia genética reprodutiva”, diz ele.

Liao introduz esses princípios com quatro “reivindicações” sobre a ética da engenharia genética:

  • Reivindicação 1: não é permitido criar deliberadamente um filho que não tenha todas as capacidades fundamentais;
  • Reivindicação 2: se tal filho já tiver sido criado, é permitido levar essa descendência a termo;
  • Reivindicação 3: não é permitido eliminar alguma capacidade fundamental de uma prole existente; e
  • Reivindicação 4: se é possível corrigir alguma falta de capacidade fundamental – sem sobrecarregar os pais ou a sociedade – pode ser inadmissível não fazê-lo.

Não surpreendentemente, as alegações de Liao geraram muito debate e controvérsia, especialmente a noção de uma “capacidade fundamental” e sua premissa subjacente – que embriões são humanos que têm direitos, que é uma premissa que alguns – embora não Liao – usaram como base para o processo criminal de mulheres grávidas que procuram um aborto. (Liao diz que apóia o direito ao aborto e cita “A Defense of Abortion”, um artigo de 1971 de Judith Jarvis Thomson, pela ideia de que os direitos de um ser não substituem o direito de integridade física do outro).



Ideias provocativas

Um dos artigos mais populares de Liao propõe que os seres humanos poderiam se projetar geneticamente para reduzir coletivamente a pegada de carbono de nossa espécie, uma das muitas ideias que Liao apresenta no artigo.

A ressalva essencial para o artigo de 2012 é que Liao não endossa nenhuma dessas hipóteses. As ideias, diz ele, destinam-se a provocar novas conversas sobre um assunto urgente.

A peça oferece ideias como estimular a aversão à carne vermelha (reduzindo assim os gases de efeito estufa da pecuária); tornar as pessoas fisicamente menores (e, portanto, provavelmente consumir menos comida); abaixar as taxas de natalidade através do aprimoramento cognitivo (baseado na ideia de que as taxas de natalidade estão negativamente correlacionadas com o acesso à educação para as mulheres); e melhorar nossas respostas altruístas e empáticas na esperança de que, se as pessoas estiverem mais conscientes do sofrimento que as mudanças climáticas causam, elas estarão mais propensas a dar passos positivos.

“O direito de estar preocupado”

Em última análise, Liao observa que muitos que se opõem uniformemente à pessoas geneticamente modificadas, ou seja, edição de genes de qualquer tipo e que se preocupam com as consequências não intencionais que podem resultar disso.

“Eles estão certos em se preocupar”, diz ele.

Liao

Mas em um mundo onde essa tecnologia existe, ele pergunta, “queremos uma sociedade onde dizemos: ‘Ninguém pode ter isso’?”

Fonte: Universidade de Nova York. Estudo Original DOI: 10.1111/bioe.12519. Publicado originalmente em Futurity.org

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: