Erro no banco de dados do WordPress: [UPDATE command denied to user 'u509014324_eder'@'127.0.0.1' for table 'wp_options']
UPDATE `wp_options` SET `option_value` = '1576407678.5786681175231933593750' WHERE `option_name` = '_transient_doing_cron'

Os Jarros dos Mortos de Laos • Suprimatec
SobrenaturalCiência

Os Jarros dos Mortos de Laos

Espalhados por milhares de quilômetros quadrados da planície de Xieng Khouang – agora conhecida como a “Planície dos Jarros” por essa mesma razão – essas estruturas megalíticas vazias da Idade do Ferro chegando aos milhares, com algumas chegando a quase três metros de altura ).

Ninguém sabe ao certo de onde os jarros dos mortos vieram ou até mesmo por quê. Diz a lenda local que eles já foram usados como cálices por um bando de gigantes bêbados. Outros acham que foram usados para decomposição corporal em ritos funerários locais. A principal teoria entre os arqueólogos é que esses vasos eram na verdade tumbas de uma antiga civilização.

Imagem: Universidade Nacional da Austrália

Em 2016, caminhando na ponta dos pés ao lado de partes de bombas não detonadas do Vietnã, no que é considerado um dos sítios arqueológicos mais perigosos do mundo, pesquisadores da Universidade Nacional da Austrália descobriram vários poços cheios de ossos humanos que datam de aproximadamente 2.500 anos.

Hoje, esses mesmos arqueólogos ainda estão liderando a caçada. Recentemente, a equipe descobriu centenas dessas urnas de pedra em uma área onde poucos humanos foram.

“Esses novos sites foram visitados apenas por caçadores de tigres ocasionais”, diz Nicholas Skopal, PhD, estudante de arqueologia da ANU.

“Agora os redescobrimos, esperamos construir uma imagem clara sobre essa cultura e como ela se livrou de seus mortos”.

Nicholas Skopal
Dia de névoa no sitio 2 mostrando dois Jarros megalíticos de arenito
Dia de névoa no sitio 2 mostrando dois Jarros megalíticos de arenito. Imagem: Universidade Nacional da Austrália

Juntamente com os enormes Jarros, que tinham cerca de 1.000 anos de acordo com a universidade, a equipe também encontrou artefatos típicos da Idade do Ferro, incluindo cerâmicas decorativas, contas de vidro, ferramentas de ferro, discos usados nos ouvidos e fusos para confecção de tecidos.

Ao redor dos jarros, eles notaram uma coleção de discos lindamente esculpidos, que eles acham que são marcadores de enterro, embora estranhamente eles foram encontrados enterrados com o intrincado lado virado para baixo.

disco decorado com anéis concêntricos no local 2 decoração estava virada para baixo
Disco decorado com anéis concêntricos no local 2 decoração estava virada para baixo. Imagem: Universidade Nacional da Austrália

“Curiosamente também encontramos muitos frascos em miniatura, que parecem com os potes gigantes mas são feitos de barro”, diz um dos integrantes da equipe, o arqueólogo Dougald O’Reilly.

“Adoraríamos saber por que essas pessoas representavam os mesmos frascos em que colocavam seus mortos, em miniatura para serem enterrados com seus mortos.”

Com a pedreira mais próxima a vários quilômetros de distância, todos esses 137 objetos pesados, pesando várias toneladas, devem ter sido transportados para seus novos locais. Ainda assim, O’Reilly diz que eles não sabem porque a região remota foi escolhida, especialmente porque não há evidências de que alguém tenha vivido aqui.

O trabalho da equipe ainda não foi detalhado em um estudo revisado por especialistas, mas os arqueólogos estão esperançosos de que seu trabalho acabe nos ajudando a resolver o mistério dos chamados “Os Jarros dos Mortos”.

Ou talvez nos deixe com mais perguntas do que antes.

Publicado originalmente em Science Alert

Android Aplicativos Apple BGS Brasil Game Show Cientistas Ciência Computadores Câncer Elon Musk empresas Espaço eSports Estudo Facebook Futuro Gamers Games Google Hardware HyperX Inteligência Artificial Internet Jogos Kingston Lançamento Marte Medicina Microsoft Nasa pesquisa PlayStation 4 Realidade Virtual redes sociais Robôs Saúde Segurança Smartphone Sociedade Software Suprimatec Tecnologia Terra Ubisoft Xbox One

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar