fbpx
Bem EstarDicas

Técnica para ajudar pessoas com dificuldades emocionais

Vez ou outra nos encontramos em situações em que somos confrontados com alguém que está com algum problema. Um membro da família, alguém que amamos, amigo ou colega de trabalho, sempre vem alguém pra ouvir nossos conselhos.

Isso pode ser um pouco estranho como receptor e muitas vezes não sabemos o que fazer. Então damos conselhos, compartilhamos nossas experiências pessoais, tentamos montar um plano de ação, abraçá-los ou simpatizar com eles. Muitos de nós não consideramos que tudo o que essa pessoa realmente quer é que você apenas ouça. Da próxima vez que você se encontrar nesta situação, “Apenas não faça nada, fique aí parado ouvindo!”

[adcash_300_250]

Muitas vezes, nos sentimos como se precisássemos agir rápido e tentar consertar a questão, se nosso amigo começa a chorar ou expressar emoção, nós dizemos: “Não chore, tudo vai ficar bem”. Mas, por que estamos tentando impedi-los de expressar ou sentir emoção? Às vezes, na verdade, tudo que alguém precisa é expressar e liberar a emoção do que está passando.

Segurando o espaço

Podemos ouvir esse termo de vez em quando sem realmente entender o que isso significa. Essencialmente, ocupar espaço para alguém significa apenas estar lá, ouvir sem intenção de responder, não tentar “consertar” nada. Deixar ela se expressar emocionalmente sem tentar fazê-lo se sentir melhor. Você, como você é, apenas estar lá é o suficiente, e essa pessoa apreciará sua presença simples durante esse tempo.

[Hostinger]

Claro, se eles estão vindo até você e pedindo conselhos, ou pedindo para você lembrar o que você fez em um cenário semelhante, então vá em frente. Mas muitas vezes, as pessoas tendem a não saber o que querem quando chegam a você com suas dificuldades, e simplesmente estar lá é muitas vezes suficiente.

Filósofo chinês, Chuang-Tzu acreditava que a verdadeira empatia requer ouvir com todo o ser:

“A audiência que está apenas nos ouvidos é uma coisa. A audição da compreensão é outra. Mas a audição do espírito não se limita a qualquer faculdade, ao ouvido ou à mente. Por isso, exige o vazio de todas as faculdades. E quando as faculdades estão vazias, então todo o ser ouve. Há então uma compreensão direta do que está bem diante de você, que nunca pode ser ouvido com o ouvido ou compreendido pela mente ”.

O que é empatia?

Geralmente pensamos que a empatia é ser capaz de sentir as emoções de uma pessoa e ter uma postura mais compassiva. Para levar isso um pouco mais fundo, a empatia ocorre apenas quando derramamos todas as idéias preconcebidas e julgamentos sobre a outra parte. Como diz o filósofo Martin Buber, “apesar de todas as semelhanças, toda situação de vida tem, como uma criança recém-nascida, um novo rosto, que nunca foi antes e nunca voltará. Exige de você uma reação que não pode ser preparada de antemão. Não exige nada do que é passado. Requer presença, responsabilidade; exige de você.”

Isso pode ser mais fácil dizer do que fazer: “A capacidade de dar atenção a um sofredor é algo muito raro e difícil; é quase um milagre, é um milagre. Quase todos aqueles que pensam que têm a capacidade não o possuem.”

Muitas vezes, em vez de oferecer empatia, damos conselhos, tranquilizamos ou explicamos nossas próprias experiências.

[amazon_link asins=’8515041650,8537814512,8532653944′ template=’ProductCarousel’ store=’suprimatec0d-20′ marketplace=’BR’ link_id=’e7b12658-a4c1-11e8-9e97-8bd6ccd49d69′]

Aqui estão alguns exemplos perfeitos ou como nós normalmente agimos quando alguém está em uma situação difícil, a partir do livro Comunicação Não-Violenta Uma Linguagem da Vida, de Marshall D. Rosenburg.

  • Aconselhando: “Eu acho que você deveria …” “Por que você não …?”
  • Dando um empurrãozinho: “Isso não é nada; Espere, você ouvirá o que aconteceu comigo?
  • Educar: “Isso pode se transformar em uma experiência muito positiva para você, se você apenas …”
  • Consolando: “Não foi sua culpa; você fez o melhor que pôde.”
  • Contando histórias: “Isso me lembra da hora …”
  • Desligando: “Anime-se. Não se sinta tão mal.
  • Simpatizante: “Oh coitadinho …”
  • Interrogando: “Quando isso começou?”
  • Explicando: “Eu teria chamado, mas …”
  • Corrigindo: “Não foi assim que aconteceu.”
  • E, como afirma Rosenburg, “Acreditando que temos que” consertar “situações e tornar os outros melhores nos impede de estar presentes”.

 

Todos os exemplos acima listados são maneiras de tentar melhorar, alterar ou consertar a situação. Alguns deles podem parecer que estão vindo de um lugar muito amável, aberto e compassivo, mas estão interrompendo a oportunidade para a outra pessoa se expressar plenamente e suas emoções.

Você pode dar empatia sem receber empatia?

Se nos encontramos tendo um momento difícil em particular, tentando ter empatia com os outros e simplesmente estar lá, isso é um bom sinal de que nós mesmos estamos famintos demais para que a empatia seja capaz de oferecê-lo aos outros.

Isso poderia significar que não estamos ouvindo o que realmente está acontecendo dentro de nós mesmos, como o ex-secretário-geral das Nações Unidas, Dag Hammarskjold, disse uma vez:

“Quanto mais você ouvir a voz dentro de você, melhor você ouvirá o que está acontecendo lá fora”.

Você não pode servir de um recipiente vazio, e se a empatia é difícil para você, você pode querer olhar para dentro de si mesmo.

[udemy_programacao]

Coloque isso em prática

Da próxima vez que alguém vier até você para expressar uma luta, dificuldade ou momento ruim, simplesmente ouça suas observações, sentimentos, necessidades e solicitações. Isso ajuda a refletir, parafraseando, que você entendeu o que eles estão dizendo. Permanecendo neste estado de empatia, nós permitimos aos outros a oportunidade de expressar plenamente a si mesmos e suas emoções sem tentar consertar nada. Então, podemos continuar com os pedidos dessa pessoa na forma de quaisquer soluções ou pedidos de alívio.

Muitas vezes, você descobrirá que uma vez que você tenha dado um espaço para se expressar completamente emocionalmente e verbalmente, isso somente os ajudará a se sentir muito melhor, simplesmente porque eles foram ouvidos, reconhecidos e compreendidos.

Artigo publicado originalmente no site Colletive Evolution, para ver o artigo completo em inglês clique aqui.

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: