Conhecimento

José Mario Bergoglio (Papa Francisco) – Luigi Angelino

Como quase todos sabem, a Igreja Católica está passando por um período de crise sem precedentes, apesar dos altos e baixos contínuos e tumultuosos já cruzados ao longo da história.

Desde o dia da renúncia de Bento XVI, a figura do Papa Francisco, tem feito muito debate, criando um halo lendário em torno dele: por alguns aclamado como o verdadeiro reformador da Igreja e apreciado por seus hábitos, pelo menos aparentemente, morigerados e não condizentes com a ostentação e os muitos costumes da opulenta organização eclesiástica do passado, outros olhavam com desconfiança, tanto pelas modalidades inusitadas de ascensão ao pontifício, como pelas ideias teológicas, manifestadas em algumas ocasiões, com certa leveza, a ponto de ser acusada de heresia.

Mas vamos tentar entender a formação e o caráter do 266º papa da Igreja Católica.

uma breve biografia do papa

Jorge Mario Bergoglio nasceu em Buenos Aires em 17 de dezembro de 1936 de uma família de origem italiana e, mais precisamente, do Piemonte. Aos 21 anos, a parte superior do pulmão direito foi removido devido a uma forma grave de pneumonia. Naquela época, na verdade, houve tentativa de tratamento cirurgicamente, devido à falta de antibióticos específicos.

Depois de obter um diploma de especialista químico, tornou-se independente da família de origem, limpando em uma fábrica e depois como “segurança” em uma sala mal utilizada. Como ele mesmo disse, em sua juventude, ele nem mesmo desprezou as relações com o belo sexo. As razões que o levaram a entrar no seminário em 1958, com a escolha de iniciar o noviciado na Companhia de Jesus, não são claras.

Ele viveu por um período no Chile e depois retornou a Buenos Aires, graduando-se em filosofia em 1963 e posteriormente lecionando literatura e psicologia nas faculdades de Santa Fé e Buenos Aires.

Bergoglio foi ordenado sacerdote em 1969 pelo arcebispo de Córdoba, Ramón José Castellano. O jovem sacerdote distinguiu-se na ordem religiosa da Companhia de Jesus, até que foi nomeado “Superior Provincial da Argentina” e depois reitor da faculdade de teologia e filosofia de San Miguel.

Em 1979, período muito difícil para a política argentina, participou da reunião do CELAM (Conselho Episcopal Latino-Americano), destacou-se entre aqueles que se opunham a teologia da libertação, e que pressionou a necessidade de que estavam preservando as tradições culturais e religiosas dos povos latino Americanos.

Em meados dos anos 80, ele foi para a Alemanha, para Frankfurt no Meno, mas não conseguiu obter um doutorado do Instituto Filosófico e Teológico de San Giorgio. Quando voltou para casa, tornou-se diretor espiritual e confessor da Igreja da Companhia de Jesus de Córdoba.

Em 1992 começou o ministério episcopal do futuro papa: primeiro, no mesmo ano, foi nomeado bispo auxiliar de Buenos Aires, proprietário de Auca; em 3 de junho de 1997, foi nomeado arcebispo coadjutor de Buenos Aires e, em 1998, arcebispo de Buenos Aires, com a morte do cardeal Antonio Quarracino.

Em 2001 foi nomeado cardeal por João Paulo II e de 2005 a 2011 ocupou a prestigiosa posição de presidente da Conferência Episcopal Argentina.

Diz-se que, mesmo quando realizou o seu ministério episcopal, optou por um estilo de vida sóbrio e moderado, deslocando-se muitas vezes com os transportes públicos e renunciando a viver no Episcopado, em favor de um pequeno apartamento onde nem sequer utilizava apoio contínuo de funcionários.


O Fire TV Stick Basic Edition transforma sua TV em uma SmarTV e te conecta a um universo de entretenimento de séries, filmes e jogos. O Fire TV Stick é um jeito fácil de acessar o Prime Video, Netflix, Spotify, Youtube e mais de 4 mil apps com os navegadores Firefox e Silk.

É bastante incomum e, talvez até em contraste com seus ideais de pobreza e proximidade com os marginalizados, a clara oposição de Bergoglio à corrente de pensamento chamada de “teologia da libertação”.

Essa corrente ideológica nasceu na América Latina, como uma extensão natural dos princípios reformadores do Concílio Vaticano II, enfocando o papel central da Igreja contemporânea em difundir os princípios sociais da emancipação, presentes na mensagem cristã, especialmente dirigindo-se aos mais pobres e marginalizados, segundo o claro ditado do Evangelho.

Os princípios inspiradores eram precisamente os do domínio franciscano da pobre Igreja para os pobres do santo de Assis, dos quais Bergoglio teria assumido o nome assim que o pontificado fosse obtido. Os critérios da teologia da libertação encontraram terreno fértil na América Latina, precisamente por causa da necessidade de dar uma resposta incisiva a regimes opressivos e ditaduras militares.


MITOS: luzes e sombras – Luigi Angelino

Nem todos na Argentina ficaram felizes quando Bergoglio se tornou papa. Suas relações com a ditadura argentina ainda permanecem muito enevoadas e misteriosas, especialmente com os círculos militares durante a presidência de Videla.

O Papa Francisco foi acusado de não defender os direitos humanos de dois padres jesuítas, Orlando Virgilio Yorio e Francisco Jalics, quando foram sequestrados em 23 de maio de 1978 por um comando militar argentino. Os dois prelados foram libertados apenas em 26 de outubro de 1976, graças à intervenção direta do Vaticano.

Especialmente o jornalista Verbitsky falou de Bergoglio, como um mestre do jogo duplo, fazendo referência a um dossiê de documentos “quentes” que, no entanto, nunca foi encontrado, como nunca foi tentado envolvimento direto Bergoglio em crimes de Ditadura argentina.

No entanto, é bastante estranho que desde que se tornou Papa, ele nunca viajou para a Argentina, sua terra natal, enquanto visitou outros países latino-americanos, como o Chile e o Peru. As razões que foram aduzidas nesta escolha singular são múltiplas e contraditórias. As acusações de “destrismo” e “peronismo” movidas no passado, em direção a Bergoglio, mostraram-se bastante fracas e ainda bastante nebulosas.

O próprio papa, em algumas entrevistas, apontou que as difíceis relações com a Companhia de Jesus o teriam levado a atribuir certos “rótulos” a ele, com particular referência às supostas simpatias “certas”.

Idealizar o povo aparece antes como um instrumento para tornar mais simples a complexidade existencial do mundo: a fronteira entre o bem e o mal torna-se mais clara, como em qualquer representação “maniqueísta” que se respeite.

Os bispos argentinos, antes da viagem do Papa à América Latina no início de 2018, tinha incitado o público “não manipular a figura do papa, em relação à sua nação.”

Mas a que os sumos sacerdotes se referiam? De acordo com alguns, incluindo Sandro Magister, as palavras dos bispos argentinos teria relevância para alguns amigos de Bergoglio, ainda ativo em vários campos, tais como Juan Gabrois, considerado muito próximo do Papa, que atualmente ocupa o cargo de “consultor do Conselho Pontifício justiça e paz”, mas que também está operando politicamente, como co-fundador do Movimento dos Trabalhadores e da Confederação dos Trabalhadores na Economia Popular.

Gabrois teria acusado o presidente Macrì de ter “o vício da violência” e, portanto, sua proximidade com o papa Francisco teria sido explorada politicamente.

Outra amizade muito controversa é com o promotor Gils Carbò, investigado por corrupção, e perto das ideias políticas de Cristina Kirchner. E, além disso, o líder peronista, Julio Barbaro, é considerado amigo do pontífice, personagem considerado muito polêmico pelo povo argentino.

uma “cruzada católica” contra o liberalismo protestante

Mas vamos tentar entender as razões pelas quais Bergoglio está usando o rótulo “peronista”, se isso se deve a razões políticas ou, como parece mais plausível, às ambições sociais. Como é sabido, o “peronismo” marcou o triunfo da Argentina católica sobre o liberal, salvando os valores das pessoas com respeito ao cosmopolitismo elitista de certos ambientes.

Portanto, na visão bergogliana, “peronismo” poderia representar uma defesa dos princípios cristãos contra aqueles de matriz liberal, contra quem ele sempre teve uma aversão visceral, como se fosse uma “cruzada católica” contra o liberalismo protestante, que oferece um sistema de valores éticos completamente diferentes.

Daí as ideias de Francisco também podem ser descritas como “populista”, no sentido de que o papa sempre reconheceu as pessoas uma certa superioridade moral, encontrando nela “guardião da fé” real e natural, não como uma soma de indivíduos, mas como uma comunidade que os transcende, um verdadeiro organismo vital.

É óbvio que essa visão quase romântica do “povo” é muito questionável, como a mesma reivindicação de superioridade moral.

As pessoas podem ser atribuídas vícios e virtudes, como qualquer outra camada social, e Bergoglio se contradiz quando ele quer ver uma ligação de causa e efeito entre a pobreza e o nexo terrorismo fundamentalista no entanto, muito forçado e improvável.

Idealizar o povo aparece antes como um instrumento para tornar mais simples a complexidade existencial do mundo: a fronteira entre o bem e o mal torna-se mais clara, como em qualquer representação “maniqueísta” que se respeite.

Como duas forças opostas frente para o outro por um lado as pessoas virtuosas e outra oligarquia exploradora e adoradora de dinheiro, o resultado da racionalidade iluminista e desejo liberal de conhecer as leis da criação.

Adicionado a isso é que, tendo em vista Bergoglio, a democracia só é de natureza social: que assim seja, para ele, autocracia populares para distribuir equitativamente os recursos econômicos, de acordo com os princípios do evangelho, mesmo à custa de colocar sob controle os meios de comunicação e as instituições políticas do estado.

Entre outras coisas, as questões de dimensão política e institucional da democracia, bem como o equilíbrio precário das forças presentes no Estado de Direito e proteção das liberdades individuais, eles não são muito queridos para as homiléticas bergoliana.

Sintomático é o discurso dirigido aos jovens, durante sua estada em Cuba: em vez de atraí-los à liberdade, depois de décadas de opressão, o papa tem se preocupado em adverti-los contra o “consumismo”. Em um cenário surreal, quase como uma comédia, ele foi convidado a evitar o “consumismo”, precisamente para aqueles que talvez nem soubessem o seu significado.

Francisco está bem ciente do comunismo Castro populista, que parece quase um desvio secular da mensagem do Evangelho, preocupando-se mais para salvar os cubanos do “contágio liberal”, a manutenção de uma “religiosidade” ter mantido sob um nome diferente, em vez de estimular o exercício da liberdade individual.

O “mantra” de Francisco não é de todo secreto: “o todo é superior à parte”.

Não é por acaso que justamente esse individualismo manifesta convicção, fora empregado, de diferentes maneiras, para permitir o surgimento de muitos movimentos totalitários exercidos em nome do povo, orientada a sacrificar direitos individuais por uma suposta justiça social nunca perseguida.

Voltando à visão doutrinal de Bergoglio, os problemas não diminuem, na verdade, podemos dizer, que se multiplicam e se tornam ainda mais complicados.

É possível partir da carta enviada ao Papa Francisco em 11 de agosto de 2017, inicialmente assinada por 40 padres e acadêmicos leigos católicos, mas com numerosas adesões subsequentes, publicadas em 24 de setembro de 2017, após a falha do Papa em responder.

Os signatários da carta acusam Francisco de “sete heresias” contidas na “Amoris laetitia”, a exortação apostólica sobre o amor na família. Na realidade, não é uma “acusação de heresia” real, como declarado subitamente em alguns tabloides, mas como uma espécie de “súplica” para rever suas posições, para evitar posteriores interpretações heréticas.

Vale a pena repetir as sete proposições contestadas a Francisco, de maneira resumida:

  1. “uma pessoa justificada não tem a força, pela graça, para cumprir os mandamentos objetivos da lei divina, como se alguns dos mandamentos fossem impossíveis de observar para aquele que é justificado … omitido” (tema da justificação pela fé);
  2. A possibilidade de receber graça santificante e crescente amor pelos divorciados;
  3. Grave violação de uma lei divina e possível, contudo, para o transgressor, não estar em pecado mortal;
  4. “uma pessoa, enquanto obedece a lei divina, pode pecar contra Deus em virtude dessa mesma obediência” (violação do princípio da não-contradição, uma ação não pode ser boa e má ao mesmo tempo);
  5. Possibilidade de o divorciado ter relações sexuais com o novo cônjuge sem incorrer em pecado mortal;
  6. Não absolutização das proibições negativas contidas nos princípios e verdades morais derivadas da revelação divina;
  7. A possibilidade de dar a Eucaristia e absolvição ao divorciado e recasado, que abrigará contrição e firme intenção de emendar.

Para além das questões puramente doutrinárias sobre algumas posições amplamente compartilhados, dada a posição secular “intolerante” da Igreja Católica para com a moralidade sexual, com base nos princípios da “lei natural”, que nunca foi cientificamente comprovados, sinais anteriores eles nos fazem entender como algumas posições da Francisco são indigestas a uma parte da própria organização.

E lembre-se de que o chefe da Igreja de Roma, que reconhecer a infalibilidade, quando uma decisão sobre as verdades da fé ou princípios intimamente ligado a eles, é a única posição constitucional no mundo, que é creditado, no momento, um poder absoluto, na esfera executiva, legislativa e judicial.

Mas Bergoglio também é impopular para a ala mais progressista da Igreja Católica, porque suas declarações estão sempre oscilando e tendendo a “estourar o círculo e atingir o barril”, não introduzindo nada verdadeiramente inovador na dimensão moral e espiritual do cristianismo.

Se por um lado se abre aos gays, dizendo: “Quem sou eu para julgar?”, Por outro lado, diz que para os gays, que são descobertos em tenra idade, seria apropriado “tratamento psiquiátrico”.

Se hoje está aberto à possibilidade de dar a Eucaristia ao divorciado, amanhã será intransigente antes do uso de preservativos na África, apesar do fenômeno desenfreado da AIDS.

Uma teologia fragmentada e incoerente, vestido torções magistrais, como se fosse “arenque vermelho” para desviar a atenção dos problemas reais, como a reforma do IOR, que se manteve uma utopia do infeliz João Paulo I , deixado intacto por João Paulo II, que se beneficiou da luta anticomunista na Europa Oriental, timidamente insinuado pelo profundo e pouco compreendido Bento XVI.

“Tudo o que você disse na escuridão … será proclamado nos telhados”

E a Igreja Católica está passando por uma das eras mais sombrias, com todos os escândalos de pedofilia, que dia após dia são mais numerosos e perturbadores. As afirmações risíveis não valem nada, segundo as quais há um plano satânico para cancelar a Igreja de Cristo da face da terra.

A diferença não é negligenciável em relação ao passado consiste no fato de que antes tudo acontecia submerso ou deliberadamente oculto, mesmo pelas limitadas possibilidades de comunicação e divulgação de notícias.

E então, na mentalidade estreita do passado, acusar um “padre” quase poderia parecer um ato de sacrilégio. O recente ataque de Monsenhor suscitou perplexidade e indignação. Viganò no caso McCarrick contra o Papa Francisco. No dossiê de Mons. Viganò diz que o Papa Francisco e outras altas autoridades do Vaticano estavam cientes do abuso do cardeal Theodore McCarrick, convidando o papa a renunciar e abordar a questão da entrada homossexual dentro da Igreja.

O ex-núncio apostólico diz que Bergoglio deliberadamente ignorou o abuso sexual. Segundo o depoimento de Viganò, já em 2006, ele próprio teria comunicado a Tarciso Bertone as suspeitas sobre Theodore McCarrick, sem receber resposta. Mc Carrick ficou confinado à solidão pelas decisões de Bento XVI, mas foi reabilitado e depois afirmou ter contribuído para a eleição de Bergoglio. Algumas palavras contidas no dossiê Viganò nos fazem refletir:

“É necessário derrubar o silêncio com que os bispos e padres se protegeram, em detrimento de seus fiéis, o silêncio que aos olhos do mundo se arrisca a fazer a Igreja parecer uma seita, omertà não tão diferente da que prevalece na máfia”.

E então, nitidamente, Viganò refere-se a uma passagem do Evangelho de Lucas (12.3): “Tudo o que você disse na escuridão … será proclamado nos telhados”.

O que é então descrito no dossiê, sobre abuso, encontros orgiásticos e vários enredos, até ultrapassa o meu romance de ficção sobre o assunto, The Darkness of the Soul, ed. Cavinato internacional 2017.(Está sendo traduzido para português, em breve novidades)

As acusações feitas pelo antigo núncio apostólico, apesar de terem sido solicitadas por muitos jornalistas a responder, Francesco ainda não respondeu, deixando no entanto um vislumbre de uma futura intervenção esclarecedora, talvez quando a poeira já tiver passado.

Neste último escândalo, mais o relatório da autoridade judicial americano, sobre a forma como a pedofilia era uma praga endêmica mesmo na Pensilvânia, com milhares de crianças envolvidas e cerca de 100 padres acusados em seis dioceses diferentes, mais de 70 anos.

O Promotor Geral de Pensilvânia, Josh Shapiro, teria reconstruído uma história envolvendo 300 pessoas, incluindo padres e súditos que, de qualquer forma, teriam omitido as queixas.

Além disso, o grande escândalo está abalando a Igreja alemã, com uma porcentagem muito alta de padres acusados de abuso sexual de menores.

Ainda eventos similares ao que inspirou o filme “O caso Spotlight”, no entanto, originaram-se de uma investigação real conduzida pelo jornal “The Boston Globe”.

Este não é o lugar, obviamente, para verificar as declarações de Viganò ou examinar a veracidade de outras investigações, nem poderia ser de outra forma, mas, em qualquer caso, surge uma imagem de uma Igreja de Cristo em cores sombrias, de “Last Times”, Em que não há nada mais santo e evangélico, pelo menos na aparência.

A mesma eleição de Bergoglio, como explicamos acima, ocorreu em condições que eram, no mínimo, singulares, na presença de um papa emérito ainda vivo.

Deve-se acrescentar que, na eleição do papa argentino, 4 irregularidades muito graves foram indicadas:

  1. Em primeiro lugar, a coexistência de um papa emérito, que abdicou por razões que não são inteiramente claras;
  2. No momento de fazer os votos, os jesuítas aceitam a regra, segundo a qual, para aqueles que pertencem a essa ordem, é proibido se tornar cardeal ou papa. Uma dispensação papal foi necessária para a nomeação como cardeal de Martini, que não pode ser concedido para se tornar papa;
  3. De acordo com a lei canônica, deve passar pelo menos 15 dias entre o momento em que o assento está vago e a eleição do novo papa, o que não aconteceu porque Bento XVI abdicou em 28 de fevereiro de 2013 e Francesco foi eleito o próximo 13 de março;
  4. Parece que no cálculo dos votos, foi uma unidade a mais, em comparação com o número de eleitores.

O primeiro sinal, que abalou o imaginário coletivo, era o raio que atingiu o crucifixo colocado na cúpula de São Pedro, durante uma tempestade em 17:56 em 11 de Fevereiro de 2013, um dia antes de Bento XVI anunciou sua renúncia.

Inicialmente considerada uma falsificação, a fotografia do evento foi tirada por um fotojornalista da ANSA, revelando, ao contrário, um documento confiável e despovoando a rede.

O segundo sinal, indicado por esotéricos, teve lugar 26 de janeiro de 2014, quando as duas pombas desocupado por Francisco, após o Angelus, são atacados por um grande gaivota (branco) e um corvo (preto), a primeira consegue se salvar, a segunda não.

Para alguns, Bergoglio seria o último papa, número 112, indicado pela profecia de Malaquias. A tradição popular diz que após o lema “de gloria olivae”, atribuída a Bento XVI, não haveria outra, “Caput nigrum” (negra ou chefe cabeça preta), então excluído.

A interpretação poderia ser dupla: ou se referir à cor da pele, então um papa, por exemplo, de origem africana, ou um “líder negro”. Agora sabemos com certeza que Francisco é o único jesuíta a subir ao trono de Pedro na história da Igreja Católica, e também é o primeiro a incluir em si a posição de “papa negro”, como é chamado o general dos jesuítas, a única que responde diretamente apenas ao pontífice romano.

Por essa razão, provavelmente, nunca um jesuíta havia se tornado papa, porque ele teria assumido um poder excepcional. Atualmente, o general jesuíta, chamado de “papa negro”, é o venezuelano Arturo Sosa.

Ele também fala de um quadro das “Profecias” de Nostradamus, que remete para um papa “gris et noir de la Compagnir yssu’, que” onc-lo fut é Maling”, (um papa preto e cinza divulgado pela Companhia que não havia um tão perverso”, que levaria a Igreja à destruição.

O conceito de “ordem” pode ter, no entanto, muitos significados: a Igreja pode entrar em colapso, não só e não tanto no sentido material, como falha em sua missão original.

E há aqueles que vão mais longe, até as teorias de conspiração do que de costume ordem mundial, enfatizando a proximidade Companhia de Jesus às ordens maçônicas, o que criaria uma sinergia capaz de se tornar o protagonista de muitos acontecimentos dos últimos 500 anos da história, desde que a Ordem foi fundada em 1534 em Paris, a cidade querida por Ísis, por Santo Inácio de Loyola.

O fanático oculto conectar a cor “preta” não é tanto o vestido dos jesuítas, quanto a sua máquina de poder e mistério que envolva as parcelas da ordem, uma vez que mesmo segundo a lenda, seu fundador Inácio, recebeu revelações do próprio Satanás.

Alguns excessos imaginativos levou mesmo a afirmar que os jesuítas estavam envolvidos no ataque às Torres Gêmeas, em 2001, e que os terroristas islâmicos não eram nada, mas padres disfarçados.

É, por qualquer probabilidade razoável de excessos imaginativos, mas que pode ter raízes em um grão de verdade em relação ao fim controverso passado, vistos com desconfiança por muitos papas, mesmo a partir do mesmo João Paulo I, o Papa “de meditate lunae”, que não teve tempo para reorganizar a cúria corrupta do Vaticano.

Só o futuro pode nos dizer se o Papa Francisco conseguirá levar a Igreja a um período de renovação espiritual e reafirmação de princípios evangélicos genuínos e se é realmente o profeta que está levando o cristianismo à abertura, tornando algumas posições tradicionais mais questionáveis, mais questionável e porque não, ainda mais “relativista”.

Somente o futuro pode revelar se Bergoglio está fundando uma religião sincrética, absolutamente nova, que inclui elementos heterogêneos provenientes das doutrinas mais díspares, com a intenção de realizar uma nova ordem mundial, como indicam os conspiradores mais ousados, ou, com o projeto menos ambicioso, mas não menos difícil, de preservar os privilégios eclesiásticos, esmagados pelas tempestades que agora inundam.

Sobre Luigi Angelino

Luigi Angelino obteve seu diploma de ensino médio clássico em Nápoles e, em seguida, um diploma em direito da Universidade Federico II. Posteriormente, obteve a qualificação para exercer a profissão de advogado no Tribunal de Recurso de Roma e um mestrado de segundo grau em direito internacional na Universidade de Roma, três.

Ele nunca abandonou sua paixão por temas clássicos, filosóficos e teológicos, participando de muitos cursos e seminários para estudantes universitários, formando-se em ciências religiosas no Instituto Superior de Ciências Religiosas de La Spezia.

Publicou um romance abrangente com a editora internacional Cavinato intitulado “Le tenebre dell’anima” em 2017, que foi traduzido com o título “The darkness of the soul”. Em 2018 ele publicou um livro sobre os grandes mistérios religiosos, filosóficos e folclóricos intitulado “Mitos Luzes e sombras”, que depois de uma semana entraram nos primeiros 100 recomendados em Ibs.

Ele escreve para alguns blogs. Atualmente mora em La Spezia, onde trabalha em uma administração pública.

Artigo publicado originalmente em: Ilsapere.org, para ver o artigo original em italiano visite: Josè Mario Bergoglio (papa Francesco)

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: