Sociedade

MITOS: luzes e sombras – Luigi Angelino

Muitas vezes somos levados a pensar nos “mitos” como simples contos de fada criados ou nascidos da imaginação de alguém, esquecendo que, em vez disso, derivam principalmente da herança cultural e religiosa de uma comunidade, revelando as crenças e, às vezes, as aspirações mais íntimas.

O termo “mito” de origem grega clara (mythos) é na verdade uma narração “sagrada” que se refere às origens do mundo e às várias passagens que o próprio mundo, com suas criaturas vivas, realizou para alcançar o desenvolvimento atual, mudar perspectivas e objetivos, de acordo com os vários contextos sócio-culturais ou mais especificamente para povos específicos.

No início, os eventos narrados precedem a era do uso da escrita, que a historiografia moderna refere-se aos sumérios, sendo transmitida oralmente e, portanto, ainda mais suscetível a mudanças e variações com a passagem do tempo.

Quando se diz que o mito é uma “narrativa sagrada”, significa que ele pode se tornar uma “verdade da fé”, especialmente no contexto das chamadas religiões “reveladas”, mas obviamente isso não implica que possa ser considerado “verdadeiro” ou “falso”.

Em primeiro lugar, nos tempos antigos, os mitos, firmemente ligados aos ritos propiciatórios em direção às divindades, constituíam uma maneira de satisfazer a necessidade de dar uma explicação aos fenômenos naturais, às grandes questões sobre o valor da existência e do cosmos. O homem que sentiu como “presa” das forças naturais sentiu a necessidade íntima de dar respostas sobre sua origem, sua vida, seu destino final.

A racionalidade humana, finita mas tendendo ao infinito, foi capaz de prefigurar algumas imagens que de alguma forma conseguiram instilar uma sensação de segurança e realização. Os mitos, portanto, tinham a função de ordenar a realidade, superando e resolvendo as contradições da natureza, através da busca de regras profundas sobre a vida e a morte, êxitos e derrotas, a alternância das estações, a passagem do tempo e assim por diante …

Muitas vezes o mito se apresenta como uma história real estruturada, na qual há uma história para contar, com alguns lados até dramáticos, onde há personagens identificáveis e um enredo quase literário. Nesses casos, o mito, como a parábola ou o conto de fadas, tem, acima de tudo, objetivos éticos, querendo abordar os destinatários aos princípios morais, estimulando o envolvimento emocional.

A razão humana é responsável, então, por lidar com as possíveis contradições e a disposição dos eventos em sua ordem, com métodos científicos e empíricos, mas o grande valor presente no mito não muda, se pode iluminar os corações daqueles que o aprendem. E não há ambiente sociocultural, tanto nos tempos antigos como nos modernos, mais ou menos civilizados, onde as histórias míticas não se desenvolveram. Foi notado e amplamente documentado que algumas narrativas das Américas são muito semelhantes às das populações da Ásia, África ou Europa.

Nos vários contextos, os nomes dos personagens mudam, as condições dos cenários geográficos mudam, mas as texturas subjacentes e os significados fundamentais são extraordinariamente comuns. Isso foi explicado pelo fato de que algumas intuições e certas experiências humanas são tão semelhantes que levam a expressar as mesmas imagens e invenções.

Mas há também reconstruções fascinantes que identificam a semelhança dos mitos entre as populações até agora geograficamente, o sinal de uma derivação comum de uma única civilização mundial, desaparecidas por razões ainda não apuradas, talvez ligadas a grandes cataclismos, que continuariam a ecoar nas histórias de populações sucessivas.

A isto se soma o dado, agora adquirido como quase incontornável, de que o conhecimento de nosso passado distante ainda é muito incompleto e fragmentário, apesar dos notáveis passos dados pelas ciências empíricas e humanísticas, não mais separadas por uma metodologia oposta, investigação, mas exclusivamente endereçada à busca da verdade.

E o nascimento da filosofia, originado da maravilha do homem antes da criação, como uma ciência baseada nos princípios da “identidade” e “não-contradição”, não esquecia os mitos, mas tentava interpretá-los em uma chave racional, atribuindo-lhes maior dignidade, como ele tentou fazer depois, teologia contra as chamadas religiões reveladas.

Os mitos que nos foram transmitidos têm raízes distantes e sempre fascinaram o imaginário coletivo, como fonte de sabedoria antiga e arcana.

Na transição de “mythos” para “logos”, isto é, da representação fantástica para a construção lógica, as civilizações antigas, principalmente a grega, entenderam que algumas histórias não poderiam ser facilmente racionalizadas e que era preferível deixar a interpretação para a imaginação dos destinatários.

Grandes mitos que se tornaram parte do inconsciente coletivo

Meu texto, Mitos: luzes e sombras, nasceu com a ideia de tirar “instantâneos” de alguns grandes mitos, que agora se tornaram parte de nosso inconsciente coletivo, tanto que eles não podem distinguir com certeza as fundações fantásticas de os reais.

A estrutura do livro é dividida em cinco partes, cada uma subdividida em capítulos, tentando dar uma certa sistemicidade histórica e de conteúdo, a partir dos mitos de origem bíblica (1 e 2), para então fundir-se com outros mitos religiosos também de origem não judaica.

Cristianismo (3), dedicando os dois últimos blocos (partes 4 e 5) a lugares e personagens que, de maneiras diferentes, despertaram e continuam a despertar interesse particular.

Psicostasia é o nome atribuído a uma cena comum representada no Livro dos Mortos que retrata a cerimónia de pesagem do coração do defunto no tribunal da deusa Maat.

Os temas tratados são etiologicamente e transversalmente ligados entre as diferentes partes e capítulos, apresentando trama bastante unificada, apesar da aparente heterogeneidade.

O mito da criação e do dilúvio universal, que se encontram na maioria das tradições dos povos antigos, nos faz pensar na Atlântida e na Pirâmide de Gizé, uma das sete maravilhas do mundo antigo, como expressão de uma única civilização mundial.

Algumas figuras, tomadas como um símbolo iconográfico de fé ou iniquidade, como Abraão ou Judas, são analisadas objetivamente, sem ceder muito à vulgata tradicional, mas também incluem interessantes e, por um longo tempo, negligenciaram ligações com algumas teorias consideradas heréticas e gnósticas, como a Apocatástase, a chocante redenção final de Satanás.

Os enigmas do livro do Apocalipse de João de Patmos e o misterioso simbolismo do 666 da besta se desenvolvem nas profecias subsequentes de Hildegarda de Bingen e Nostradamus, no “Petrus Romanus” de Malaquias, até a controversa figura do papa Bergoglio.

A mensagem evangélica, apresentada de maneira diferente pelos “sinóticos” e por Giovanni, comparada com os textos considerados “apócrifos”, encontrará uma incomparável representação artística na famosa pintura “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci.

O racionalismo do pensamento grego, originado em Ascea, a antiga Eléia dos filósofos, será moldado por Platão, tornado científico por Hypatia de Alexandria, e desenvolvido por pensadores originais como o desafortunado Spinoza, condenado por ser considerado herético.

Partenope (sirena) continua a nos dizer sobre as maravilhas de Nápoles, cidade de beleza incomparável, ligados aos Angers francês, onde a misterioso Tapeçaria do Apocalipse é preservada, enquanto Veneza, com a mudança de cores sua lagoa, representa nosso inconsciente coletivo.

A Psicostasia de Osíris, a lendária “pesagem das almas”, leva uma longa jornada, partindo das margens do Nilo, para chegar a Paris, a cidade querida por Ísis.

A leitura de Mitos, em suma, nos dá o conhecimento de que somos nós mesmos indicamos a sacralidade, superando as barreiras do tempo e contextos espaciais individuais narrados, com a intenção quase catártico para projetar nossa individualidade neles, atribuindo um significado religiosa e espiritual.

Mitos, portanto, são “luzes” e “sombras” porque contêm elementos que podem, ao mesmo tempo, alegrar e obscurecer nossa percepção da realidade, não com o objetivo de satisfazer interesses científicos, mas para preencher as lacunas ontológicas em cada um de nós.

Uma viagem fascinante através dos grandes mitos, a partir dos arquétipos coletivos da criação e do dilúvio universal, através dos mistérios não resolvidos da Atlântida e da grande Pirâmide de Gizé, a única das sete maravilhas do mundo antigo ainda intacta, como ecos de uma antiga civilização supermundial.

Texto: Luigi Angelino

Fonte: Publicado originalmente em Ereticamente.net, para ver o artigo original em italiano clique aqui.

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: