Erro no banco de dados do WordPress: [UPDATE command denied to user 'u509014324_eder'@'127.0.0.1' for table 'wp_options']
UPDATE `wp_options` SET `option_value` = '1576365046.7668900489807128906250' WHERE `option_name` = '_transient_doing_cron'

Seres humanos autossustentáveis no espaço: o que será necessário? • Suprimatec
Ciência

Seres humanos autossustentáveis no espaço: o que será necessário?

Nós acreditamos firmemente que vivemos em um planeta rico em vida. Com mais de 14 milhões de espécies identificadas, a pura biodiversidade da Terra é excelente. Dependemos dessa diversidade de alimentos e recursos, que em troca nos permitem florescer e prosperar. No entanto, essa relação simbiótica não existe necessariamente para o resto do universo.

Em The Beginning of Infinity, o físico David Deutsch convida os leitores a realizar o seguinte experimento mental: imagine que o universo foi dividido em cubos do tamanho do nosso sistema solar. Como seria um cubo típico?

Seria muito diferente daquele em que residimos. Na verdade, um cubo típico seria tão escuro que, se a estrela mais próxima explodisse em uma supernova, nem sequer veríamos um vislumbre. Um cubo típico seria cerca de 2,7 Kelvin, frio o suficiente para congelar quase tudo, e seria cerca de um átomo por cubo vazio, o que é mais vazio do que os aspiradores que criamos na Terra.

Assim, em um universo que é frio, escuro e vazio, a Terra está longe de ser típica; nossa casa é um oásis raro e precioso.

Essa perspectiva cósmica nos lembra como devemos valorizar e proteger a vida na Terra, nosso “ponto azul pálido”. É também um lembrete das condições hostis do restante do cosmos.

Como uma espécie espacial, temos ambições de explorar e potencialmente habitar outras partes do sistema solar e da galáxia em geral. Vimos muitos marcos marcantes na exploração espacial e nas viagens nas últimas décadas. No entanto, a pergunta que muitos cientistas estão fazendo é: como podemos nos tornar uma espécie autossustentável e engenhosa em um universo que é principalmente frio, escuro e hostil à vida como a conhecemos?

Cultivar comida no espaço

Existem muitos componentes para construir habitats humanos autossustentáveis ​​no espaço. Temos que considerar onde obteríamos matérias-primas para a construção de cidades no futuro, como poderíamos gerar energia eficiente e como acessar fontes de alimentação. À medida que organizações como SpaceX, Blue Origins e NASA continuam a pressionar a fronteira final, o acesso a recursos no espaço está se tornando uma discussão cada vez mais relevante. Quanto mais longe estivermos no sistema solar, mais difícil será confiar na Terra por recursos.

Quando se trata de comida, vimos recentemente algum progresso interessante. A sonda chinesa Chang’E-4 ganhou as manchetes no mês passado, quando produziu sementes com sucesso no outro lado da lua. Devido às condições brutais, as plantas morreram logo após o surgimento. No entanto, esse ainda era um marco notável.

Nossa capacidade de criar um ecossistema autossustentável, não importa quão pequeno, na Lua poderia ser um grande facilitador para futuras missões. A missão da NASA em Marte, por exemplo, alavancará a superfície lunar como um potencial ponto de parada no caminho para Marte. O CEO da Blue Origins, Jeff Bezos, também está empenhado em criar assentamentos permanentes na Lua. O que aprendemos com nossas tentativas de cultivar plantas na Lua também pode ser aplicado a outras colônias, como as de Marte.

Esta não é a primeira vez que os astronautas cultivam alimentos no espaço. Em agosto de 2015, os astronautas da Estação Espacial Internacional comeram os primeiros vegetais cultivados no espaço. A horta espacial da ISS, conhecida como “Unidade de Produção Vegetal de Validação da Lada”, é muito semelhante a uma estufa, onde os níveis de luz e água são controlados automaticamente.

Esses esforços são combinados com plantas geneticamente modificadas e sementes para serem melhor equipadas para sobreviver às condições no espaço. Sementes no espaço precisam suportar radiação ultravioleta e cósmica, baixa pressão, temperaturas mais severas e microgravidade; modificar sua genética é uma maneira de permitir isso. De fato, do combustível de foguete à produção de drogas, a engenharia genética pode ser um mecanismo de liberação de recursos.

A NASA também tem explorado a comida de impressão 3D no espaço. No ano passado, eles permitiram que os astronautas imprimissem pizzas em 3D no espaço.

Naves Espaciais Autossustentáveis

Um dos principais motivadores da humanidade para a exploração espacial é não forçar nossa espécie a se limitar a viver na Terra. Nas palavras do autor de ficção científica Robert A. Heinlein, “A Terra é simplesmente uma cédula muito pequena e frágil para a raça humana manter todos os seus ovos”. A vida na Terra está à mercê de ameaças existenciais, como uma supernova, guerra nuclear ou asteroides. Construir assentamentos em outras partes do sistema solar e no universo serviria como uma política de seguro para a humanidade.

Muitos escritores de ficção científica exploraram a ideia de um “navio de geração” ou arca interestelar. Esse navio auto-sustentável serviria como uma pequena colônia humana e levaria séculos a milhares de anos para alcançar seu destino. Os ocupantes originais do navio envelheceriam e morreriam, deixando seus descendentes para continuar viajando. É assim que os habitats espaciais autossustentáveis ​​poderiam salvar a humanidade da extinção e permitir que nos espalhemos pelo resto do universo.

Embora essa visão possa parecer impossível e até ridícula, é dentro das leis da física que devemos trabalhar. Em 2000, a Sociedade Espacial Nacional realizou um estudo expansivo de US $ 200 milhões chamado Roadmap to Space. O estudo delineou mais de 31 marcos que começam com a redução drástica do custo dos lançamentos e terminam com a sobrevivência da espécie humana por meio de assentamentos espaciais.

Em última análise, os projetos que envolvem recursos no espaço, como o cultivo de plantas na Lua, são passos críticos em direção a essa poderosa visão para o futuro da exploração espacial e da humanidade.

Texto publicado originalmente em SingularityHub

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar