Nanofiltro de águaTecnologia 

Nanofiltro de água promete acesso rápido a água limpa

Um nanofiltro de água projetado por uma equipe na Austrália pode limpar a água suja mais de 100 vezes mais rápido do que a tecnologia atual.

A tecnologia dos pesquisadores da Universidade RMIT e da Universidade de Nova Gales do Sul (UNSW) é conhecida por utilizar nanoestruturas naturais que crescem em metais líquidos.

O pesquisador da RMIT, Dr. Ali Zavabeti, disse que a contaminação da água continua sendo um desafio significativo em todo o mundo, com 1 em cada 9 pessoas sem acesso a água potável perto de casa.

“A contaminação por metais pesados ​​causa sérios problemas de saúde e as crianças são particularmente vulneráveis”, disse Zavabeti. “Nosso novo nanofiltro de água é sustentável, ecológico, escalável e de baixo custo.”

“Nós mostramos que funciona para remover chumbo e óleo da água, mas também sabemos que tem potencial para atingir outros contaminantes comuns. Pesquisas anteriores já mostraram que os materiais que usamos são eficazes na absorção de contaminantes como mercúrio, sulfatos e fosfatos.”

“Com mais desenvolvimento e suporte comercial, este novo nanofiltro pode ser uma solução barata e ultra-rápida para o problema da água suja.”

Nanotecnologia substitui órgãos ‘doentes’ a partir da pele

De acordo com a RMIT, o processo de química de metal líquido desenvolvido pelos pesquisadores tem aplicações potenciais em uma variedade de indústrias, incluindo eletrônica, membranas, óptica e catálise.

“A técnica é potencialmente de valor industrial significativo, uma vez que pode ser prontamente aprimorada, o metal líquido pode ser reutilizado e o processo requer apenas curtos tempos de reação e baixas temperaturas”, disse Zavabeti.

O nanofiltro de água

O líder do projeto Prof Kourosh Kalantar-zadeh, professor honorário da RMIT, pesquisador australiano Laureate Fellow e professor de Engenharia Química da UNSW, disse que a química do metal líquido usada no processo permitiu que nanoestruturas de formas diferentes fossem cultivadas, como as folhas atomicamente finas usadas. para o nanofiltro de água ou como estruturas nanofibrosas.

“O cultivo desses materiais convencionalmente é intensivo em energia, requer altas temperaturas, longos períodos de processamento e utiliza metais tóxicos. A química do metal líquido evita todos esses problemas, por isso é uma excelente alternativa.”

Os pesquisadores criaram uma liga combinando metais líquidos à base de gálio com alumínio. Quando esta liga é exposta à água, as folhas de nanotina de compostos de óxido de alumínio crescem naturalmente na superfície.

submarino.com.br

Essas camadas atomicamente finas recolhem-se de uma maneira enrugada, tornando-as altamente porosas. Isso permite que a água passe rapidamente enquanto os compostos de óxido de alumínio absorvem os contaminantes.

Os experimentos mostraram que o nanofiltro de água feito de folhas empilhadas atomicamente finas foi eficiente na remoção de chumbo de água que havia sido contaminada em mais de 13 vezes os níveis de consumo seguro, e foi altamente eficaz na separação de óleo da água.

O processo não gera nenhum desperdício e requer alumínio e água, com os metais líquidos reutilizados para cada novo lote de nanoestruturas.

Os resultados estão publicados na revista Advanced Functional Materials.

Fonte: The Engineer

Related posts

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: