a custura dos fantasmas famintosCuriosidades 

Já ouviu falar na cultura dos fantasmas famintos?

KrotonBRTexto: Dylan Charles, editor de Waking Times

“Nenhuma sociedade pode entender-se sem olhar para o lado das sombras.” – Gabor Maté, no Reino dos Fantasmas Famintos: Encontros Próximos com o Vício

Algo perverso borbulha logo abaixo da superfície da consciência coletiva. Nossa sociedade está repleta de corrupção, predação, perversão, excesso de consumo, violência, dependência e muito mais. De alguma forma, o suficiente nunca é suficiente, como se a força motriz por trás da existência humana fosse pura vontade.

Isso não é verdade, no entanto, porque sabemos que os seres espiritualmente bons são seres satisfeitos, não olhando mais do que as bençãos do momento presente para a satisfação. Não temos uma necessidade inerente de querer. Desejo é um sintoma, não a condição. É algo que entra quando o espírito não está preparado.

Deve então ser uma doença espiritual que aflige a sociedade. Algo que impulsiona secretamente tantos loucos com insaciáveis desejos de sensação e objetos. Anseios implacáveis que se manifestam de qualquer maneira imaginável, do sexo, do dinheiro, da comida, ao poder e mesmo na necessidade de ser perfeito. É uma guerra contra si mesmo, realizada inconscientemente pelo eu. Uma campanha subconsciente abaixo da auto-aniquilação.

Não há metáforas contemporâneas para entender esse tipo de vazio. O vazio é apenas. E como o vazio é tão raramente reconhecido e tão raramente olhou profundamente, ele se senta nas sombras, nos deixando loucos, direcionados pelo impulso.

Porém, na filosofia budista chinesa, há uma história que se encaixa. O fantasma com fome.

“Nos ensinamentos budistas chineses, os fantasmas famintos não conseguem absorver ou assimilar o que eles precisam desesperadamente. O problema reside em suas gargantas apertadas, que não podem abrir para a alimentação. Eles vagam sem rumo em busca de alívio que não está próximo.”[Fonte]

Curiosamente, de acordo com a origem de alguns dos seus mitos, o fantasma faminto nasceu de um ato de crueldade. Em muitas das histórias, é uma esposa de homem rico que fez algo terrível a um monge, e quando ela finalmente morre, seu espírito toma a forma do fantasma faminto, sempre espreitando no purgatório, incapaz de preencher sua barriga distorcida e, portanto, sempre precisando e querendo mais.

O fantasma faminto, então, é uma expressão de karma.

“Os fantasmas com fome são criaturas do tipo demoníaco descritas nos textos budistas, taoístas, hindus, sikhs e jainas como os restos dos mortos que estão afligidos com desejo insaciável, fome ou sede como resultado de maus atos ou intenções malignas realizadas em seus tempos de vida.” [Fonte]

No reino de fantasmas famintos, um drama profundo entre o ego e o fantasma se desenrola no infinito. É uma interação que alimenta o ego apenas o suficiente para que ele sobreviva, de modo que, por sua vez, o ego possa alimentar o fantasma com fome. Um beco sem saída de saco sem fundo. Uma projeção em loop de uma das nossas piores vulnerabilidades humanas.

Career Category (Portuguese)728x90

“O trabalho do fantasma não quer destruir completamente sua presa. Tendo se alimentado do outro através de trajetórias dissociativas de turbulência, o ego novamente se torna mais robusto. O fantasma com fome agora tem, como companheiro e fonte de criação, um ego reabastecido no qual a alimentação interna pode retomar dentro do espaço de apagamento até a plenitude do fantasma, dentro novamente permeia o intersubjetivo “. Nick Nickton, Psicanálise e Paranormal: Terras das Trevas

Pessoas espiritualmente saudáveis ​​compreendem seus desejos pelo que eles são, expressões de formas inumeráveis ​​de dor. Manifestações do sofrimento causado pela desconexão do eu e da natureza. E o eu é a natureza. Realmente não há distinção entre os dois. A ilusão é de separação.

Os fantasmas estão lá para nos lembrar que nosso verdadeiro trabalho está transmutando nosso sofrimento e crueldade em resiliência e compaixão. Não é suficiente adormecer a dor, deve ser usado para nossa vantagem, para o nosso crescimento, servir de catalisador para a transformação e fornecer uma crisálida em que a transformação possa ocorrer.

“Somos seres sociais. Quando nos sentimos desconectados ou alienados, experimentamos dor. O vício, a depressão, a raiva e a violência são maneiras diferentes de reagir à dor. Para curar nossa sociedade, devemos curar as feridas emocionais. “~ Chris Agnos

Pouco entendem isso com mais clareza do que o Dr. Gabor Maté, cujo trabalho com toxicodependentes transformou nossa compreensão do que significa ficar preso no domínio de fantasmas famintos.

Sobre o autor

Dylan Charles é um aluno e professor de Shaolin Kung Fu, Tai Chi e Qi Gong, praticante de Yoga e arte esotérica taoista, e um ativista e idealista apaixonado pela luta por um mundo mais sustentável e justo para as gerações futuras. Ele é o editor de WakingTimes.com, o proprietário de OffgridOutpost.com, um pai grato e um homem que procura iluminar os outros com o poder de inspirar informações e ações. Sua jornada notável de auto-transformação é um testemunho do poder da vontade e da persistência do espírito humano. Ele pode ser contatado em wakingtimes@gmail.com.

Este artigo (The Culture of Hungry Ghosts) foi originalmente criado e publicado pela Waking Times e é publicado aqui sob uma licença Creative Commons com atribuição a Dylan Charles e WakingTimes.com. Pode ser reenviado livremente com atribuição adequada, biografia do autor e esta declaração de direitos autorais.

Related posts

4 Thoughts to “Já ouviu falar na cultura dos fantasmas famintos?”

  1. […] Antes de ler o artigo, Já ouviu falar na cultura dos fantasmas famintos? […]

  2. […] chama os viciados de “fantasmas famintos”, uma referência a um dos seis reinos do Círculo Budista da Vida. Esses fantasmas famintos são […]

  3. […] chama os viciados de “fantasmas famintos”, uma referência a um dos seis reinos do Círculo Budista da Vida. Esses fantasmas famintos são […]

  4. […] Mas afinal, quem é Teresa Fidalgo? Qual sua real história? Veja nas linhas abaixo, mas antes de ler o artigo, clique aqui para conhecer a cultura dos fantasmas famintos. […]

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: