Sociedade 

Ir para a universidade não amplia a mente

Ir direto da escola para o trabalho, de certa maneira limita-a.

Supõe-se que ir para a universidade é uma experiência que amplia a mente. Essa afirmação é presumivelmente feita em contraposição à formação para o trabalho logo após a escola, o que pode não ser tão estimulante. Mas isso é realmente verdade?

Jessika Golle, da Universidade de Tübingen, na Alemanha, pensou que tentaria descobrir. Seu resultado, no entanto, não é exatamente o que se poderia esperar. Como ela relata em Psicologia Científica esta semana, ela descobriu que aqueles que foram para a universidade, de fato, parecem sair com mentes mais amplas e mais curiosas do que aqueles que passaram seus anos pós-escolares imediatos em treinamento vocacionais para o trabalho. No entanto, não foi o caso que a universidade ampliou as mentes. Em vez disso, o trabalho parecia limitá-las.

ECID

O Dr. Golle chegou a essa conclusão depois que ela e uma equipe de colegas estudaram as primeiras carreiras de 2.095 jovens alemães. Durante o período sob investigação (o sistema foi modificado ligeiramente este ano), a Alemanha tinha três faixas nas suas escolas: uma baixa para os alunos que provavelmente abandonariam a escola mais cedo e entrariam em formação profissional; um alto para aqueles quase certos de entrar na universidade; e um intermediário, do qual havia uma escolha entre as rotas acadêmicas e vocacionais.

A equipe usou dois testes padronizados para avaliar seus voluntários. Uma era de traços de personalidade (abertura, neuroticismo, conscienciosidade, afabilidade e extroversão). A outra era de atitudes (realista, investigativa, artística, social, empreendedora e convencional). Eles administraram ambos os testes duas vezes – uma vez no final do tempo de cada voluntário na escola e, novamente, seis anos depois. Do grupo original, 382 estavam na faixa intermediária, e foi nestes que os pesquisadores se concentraram. Universidade acenou para 212 deles. Os restantes 170 optaram por formação profissional e emprego.

Quando chegou à segunda rodada de testes, o Dr. Golle descobriu que as personalidades daqueles que tinham ido para a universidade não haviam mudado de forma estatisticamente detectável. Aqueles que haviam passado por treinamento vocacional e depois conseguiram empregos também não mudaram muito de personalidade – exceto em um aspecto crucial. Eles se tornaram mais conscientes.

Isso soa como uma coisa boa, certamente comparada com a imagem pública comum dos alunos de graduação como um bando de vagabundos mimados. Mas mudanças de atitude que os pesquisadores registraram foram mais preocupantes. No grupo da universidade, novamente, nenhum foi detectável. Mas aqueles que escolheram a rota vocacional mostraram quedas acentuadas no interesse por tarefas que são investigativas e empreendedoras na natureza. E isso pode restringir a escolha de carreiras.

KrotonBR

Alguns trabalhos investigativos e empreendedores, como a pesquisa científica, estão, de fato, fora dos limites da pesquisa. Mas muitos, particularmente na Alemanha, com sua tradição de formação profissional, não estão. Os pesquisadores mencionam, por exemplo, programadores de computador, trabalhadores do setor financeiro, agentes imobiliários e empreendedores como carreiras que exigem esses atributos. Se o Dr. Golle estiver correto, e as mudanças de atitude causadas pelo próprio treinamento em que a Alemanha se orgulha estão estreitando as escolhas das pessoas, isso é realmente uma questão de preocupação.

Fonte: The Economist

Related posts

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: