fbpx
Sociedade

Homeschooling Impulsiona Transformação Digital na Educação Privada

Por Marcelo Carreira, Diretor de Marketing da Access

A Gestão de Documentos não é um conceito novo. Pesquisadores estimam que essa prática já começou a se consolidar logo após a Segunda Guerra Mundial, nos EUA e Canadá, em função dos problemas então detectados nas administrações públicas destes dois países, no que se referia ao uso e guarda de informações críticas e altamente sensíveis.

No entanto, foi somente em 2012 que o conceito de digitalização de documentos ganhou mais notoriedade, com a autorização do governo para o armazenamento dos arquivos em formato digital, mas ainda sem o descarte das edições físicas, o que ocorreu somente em 2016, quando passou a ser permitida a digitalização e posterior destruição das versões em papel.

Desde então, setores públicos e privados passaram a adotar o Gerenciamento Eletrônico de Documentos (GED) em diversos serviços na tentativa de tornar os processos menos burocráticos e custosos. Um case relevante de sucesso na gestão pública foi a regulamentação do processo judicial eletrônico, em 2013, que agilizou o envio de petições por parte dos advogados e também o acesso pelo cliente ao andamento dos trâmites.

Gestão de Documentos na Educação Privada

Já em 2019, mais um programa do governo deu início a uma transformação digital em áreas até então não beneficiadas por esse tipo de iniciativa. O Programa SP sem Papel, implementado em 2019 pelo Governo do Estado de São Paulo, conseguiu alcançar um outro setor considerado crítico pelo grande volume de documentos e a dificuldade de integração, a educação.

Com a implementação de um sistema único para toda a produção e tramitação dos processos, foi possível gerenciar números de vagas, alocar recursos e facilitar as avaliações por parte dos órgãos responsáveis, benefícios estendidos, inclusive, para outros estados.

Com a chegada do Homeschooling, em decorrência da pandemia, esse processo sofreu uma aceleração e a iniciativa privada, até então desobrigada de processar esses atendimentos em documentos nato-digitais, precisou correr para atender uma realidade para a qual ainda não estava preparada.

Apesar da educação privada atender um público já familiarizado com a tecnologia, muitos atendimentos ainda são feitos da mesma maneira há gerações. A começar pela matrícula, que, até há poucos meses, exigia a entrega de cópias de documentos pessoais, fotos em papel, bem como o preenchimento de fichas e assinaturas à mão.

O homeschooling, que é uma tendência e deve permanecer mesmo após a pandemia, exigiu uma rápida mudança, já que o distanciamento continua sendo uma imposição para todos. Assim, passaram a ser permitidos o envio de documentos digitalizados e requerimentos de matrícula online. Aplicativos de fotos em diversos tamanhos substituíram as tradicionais imagens 3×4 e a presença física pode, enfim, ser dispensada.

Segurança no Armazenamento

Contudo, muitas dessas instituições, e aí abarcamos públicas e privadas, não sabem como ou o que precisam armazenar, nem por quanto tempo. Assim, é comum pastas criadas em dispositivos diferentes ou em plataformas em nuvem sem que haja uma política de segurança ou mesmo um gerenciamento desses documentos e uma organização arquivística.

Com a LGPD e os riscos à proteção, esses dados ganharam ainda mais criticidade. A segurança precisa estar presente desde o processamento até a destruição das informações, sejam elas em formato físico ou digital, de acordo com legislações vigentes para cada tipo de documento.

Em especial, os acessos a esses arquivos precisam estar protegidos por criptografia, principalmente, em tempos de trabalho à distância. Não se pode pensar em uma educação virtual com documentos sendo armazenados em espaços físicos sem qualquer segurança e sem um critério que se permita resgatar em caso de necessidade.

Enquanto que o serviço de digitalização pode ser executado fora ou nas dependências da escola, sem prejuízos à produtividade desde que realizados de maneira especializada, a guarda e a gestão só serão, de fato eficientes e seguras, quando feitas em locais preparados e destinados a esse tipo de operação, seja ela para armazenar documentos físicos ou mídias.

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: