crenças falsas estão na nossa culturaCuriosidades Sociedade 

Porque nos atemos a crenças falsas: O feedback supera evidências concretas

Você já se perguntou por que os defensores da Terra Plana, os birthers, e os que negam as mudanças climáticas e o Holocausto aderem às suas crenças em face da esmagadora evidência do contrário?

Leia mais de 4 milhões de livros no seu e-book. Os melhores e-books do mundo estão aquiNovas descobertas de pesquisadores da Universidade da Califórnia, Berkeley, sugerem que o feedback, em vez de evidências concretas, aumenta a sensação de certeza das pessoas quando aprendem coisas novas ou tentam distinguir o certo do errado.

Psicólogos do desenvolvimento descobriram que as crenças das pessoas são mais propensas a serem reforçadas pelas reações positivas ou negativas que recebem em resposta a uma opinião, tarefa ou interação do que por lógica, raciocínio e dados científicos.

Suas descobertas, publicadas hoje na edição online da revista Open Mind, lançam uma nova luz sobre como as pessoas lidam com informações que desafiam sua visão de mundo, e como certos hábitos de aprendizagem podem limitar os horizontes intelectuais.

“Se você acha que sabe muito sobre algo, mesmo que não saiba, é menos provável que você esteja curioso o suficiente para explorar mais o assunto e não saberá o quão pouco você sabe”, disse o principal autor do estudo, Louis Marti. , um Ph.D. estudante em psicologia na UC Berkeley.

Essa dinâmica cognitiva pode atuar em todas as esferas da vida real e virtual, incluindo as mídias sociais e as câmaras de eco de notícias a cabo, e pode explicar por que algumas pessoas são facilmente enganadas por charlatões.

Como as notícias falsas afetam seu cérebro

“Se você usa uma teoria maluca para fazer uma previsão correta algumas vezes, pode ficar preso nessa crença e pode não estar tão interessado em coletar mais informações”, disse a autora sênior do estudo, Celeste Kidd, professora assistente de psicologia na UC. Berkeley

Especificamente, o estudo examinou o que influencia a certeza das pessoas durante o aprendizado. Verificou-se que a confiança dos participantes do estudo foi baseada em seu desempenho mais recente, em vez de resultados cumulativos a longo prazo. Os experimentos foram conduzidos na Universidade de Rochester.

Para o estudo, mais de 500 adultos, recrutados on-line através da plataforma de crowdsourcing Mechanical Turk da Amazon, analisaram diferentes combinações de formas coloridas em suas telas de computador. Eles foram convidados a identificar quais formas coloridas se qualificavam como “Daxxy”, um objeto inventado pelos pesquisadores para o propósito do experimento.

Sem pistas sobre as características definidoras de um Daxxy, os participantes do estudo tiveram que adivinhar cegamente quais itens constituíam um Daxxy, pois eles viam 24 formas coloridas diferentes e recebiam feedback sobre se tinham adivinhado certo ou errado. Depois de cada palpite, eles informaram se estavam ou não certos de sua resposta.

Os resultados finais mostraram que os participantes basearam consistentemente sua certeza sobre se haviam identificado corretamente um Daxxy durante os últimos quatro ou cinco palpites, em vez de todas as informações que haviam reunido durante todo o processo.

Entenda o que é um evento de bandeira falsa

“O que achamos interessante é que eles conseguiram os primeiros 19 palpites errados, mas se eles acertarem os cinco últimos, eles se sentiram muito confiantes”, disse Marti. “Não é que eles não estivessem prestando atenção, eles estavam aprendendo o que era um Daxxy, mas eles não estavam usando a maior parte do que aprenderam para informar sua certeza.”

A certeza de um aluno ideal seria baseada nas observações acumuladas ao longo do tempo, bem como no feedback, disse Marti.

“Se o seu objetivo é chegar à verdade, a estratégia de usar seu feedback mais recente, em vez de todos os dados que você acumulou, não é uma ótima tática”, disse ele.

Publicado em Science Daily. Fonte da história: Materiais fornecidos pela Universidade da Califórnia – Berkeley. Escrito originalmente por Yasmin Anwar. 

Related posts

2 Thoughts to “Porque nos atemos a crenças falsas: O feedback supera evidências concretas”

  1. Maby Ferreira

    O ser humano e sua total incapacidade de lidar com os erros haha, é interessante pensar que as fakes news se espalham justamente pelo não-pensar (quando somos feitos pra isso, pensar).
    Achei o experimento do Daxxy bem conciso rs, no fim das contas, parece-me que as pessoas só enxergam aquilo que querem e fazem disso verdade absoluta!

    1. suprimatec

      Sim, nosso nível de conhecimento quando se trata do mundo que nos rodeia é muito difuso, ou seja, aprendemos aquilo que nos é mostrados e o que nós buscamos por meio dos nossos interesses, mas se for pensar, de um jeito bem radical, será que esse mundo é real? Muito obrigado pela sua ótima colocação!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: