Somos personagens de vídeo game

Somos personagens de vídeo game de uma civilização avançada

Minha intenção não é te assustar, mas há uma chance de você não ser o único ‘você’ na existência.

Não estou falando sobre a possibilidade de que somos personagens de vídeo game e que você realmente tenha dois cérebros diferentes, o que significa que é praticamente impossível dizer quem é “você”. Estou falando sobre o fato de que poderia haver inúmeros universos paralelos, e cada um contém uma versão ligeiramente diferente de você.

Dentro dessa construção do universo paralelo, nossa própria realidade pode não ser tão “real” quanto você pensa. Alguns dos objetos mais massivos do nosso Universo são hologramas? Nosso próprio Universo é um holograma? É toda essa coisa de simulação gigante e nós sermos apenas personagens no jogo de vídeo mais avançado de todos os tempos?

Juro que não estou drogado. Tudo o que acabo de mencionar faz parte de experimentos mentais reais que foram planejados e debatidos pelos melhores pensadores do mundo há anos, porque de uma forma ou de outra, temos de dar sentido a esta realidade muito estranha e incrivelmente improvável a qual nos encontramos dentro.

Em 2016 na Conferência Anual Code da Recode, na Califórnia, o gênio tecnológico bilionário Elon Musk foi questionado sobre a possibilidade de seres humanos serem participantes inconscientes de uma simulação gigante construída por alguma civilização alienígena muito mais avançada do que a nossa.

Seu argumento é muito simples, se olharmos para a nossa própria história de jogos de vídeo game. Quarenta anos atrás, jogos de vídeo game eram como Pong e Space Invaders. Atualmente temos material foto realístico, tridimensional que se parece com isso, e poderíamos ter milhões, potencialmente bilhões, de pessoas jogando o mesmo jogo on-line ao mesmo tempo.

Certamente, há algo como o Vale da Estranheza  na qualidade dos nossos video games homólogos atualmente, mas pense como as coisas serão daqui 40, ou mesmo 20 anos, com a realidade virtual e aumentada já tentando algumas pegadas em seu caminho rumo a nossas salas de estar.(O vale da estranheza (em inglês: uncanny valley) é uma hipótese no campo da robótica e da animação 3D que alega que quando réplicas humanas se comportam de forma muito parecida — mas não idêntica — a seres humanos reais, provocam repulsa entre observadores humanos.)Wikipédia.

Há 50 por cento de chances de estarmos vivendo na Matrix…

Musk explica:

“Se você assume qualquer taxa de melhoria em tudo, então os jogos se tornarão indistinguíveis da realidade, mesmo se essa taxa de progresso caísse mil vezes do que é agora. Então você apenas diz, ok, vamos imaginar que 10.000 anos no Futuro, não seja nada na escala evolucionária. Somos personagens de vídeo game.

Dado que estamos claramente em uma trajetória para termos jogos que serão são indistinguíveis da realidade, e esses jogos poderiam ser jogados em qualquer console de videogame, em um PC ou em qualquer coisa, e provavelmente haveria bilhões de tais computadores ou consoles. Seguindo então essa linha, parece que as probabilidades de que estamos na realidade base é uma em bilhões”.

Talvez não seja a coisa mais reconfortante do mundo para se pensar, nossa realidade não é tudo o que pensamos que ela é, mas Musk diz que tudo isso sendo um grande videogame é a melhor opção que poderíamos esperar, dada as alternativas.

“Podemos suspeitar que isso seja verdade, porque se a civilização parar de avançar, isso pode ser devido a algum evento calamitoso que apague a civilização”, disse ele. “Então talvez devêssemos estar esperançosos de que esta é uma simulação, porque de outra forma nós vamos criar simulações indistinguíveis da realidade ou a civilização deixa de existir. É improvável que entremos numa estase de vários milhões de anos”.

Como Ezra Klein relata para Vox, o que Musk está se referindo aqui é um famoso experimento de pensamento publicado pelo filósofo sueco Nick Bostrom da Universidade de Oxford no Reino Unido em 2003.

Publicado na revista Philosophical Quarterly, o artigo, intitulado “Você está vivendo em uma simulação computacional?”, Argumenta que pelo menos uma das seguintes proposições tem que ser verdade:

  1. É muito provável que a espécie humana se extinga antes de atingir um estágio “pós-humano”;
  2. Qualquer civilização pós-humana é extremamente improvável executar um número significativo de simulações de sua história evolutiva (ou variações da mesma);
  3. Estamos quase certamente vivendo em uma simulação de computador.

Somos personagens de vídeo game, então, o que exatamente é este estágio pós-humano?

Bostrom fala sobre como à velocidade que a tecnologia evolui, podemos supor que em algum momento, um único computador poderia simular toda a história mental da humanidade, ele chama isso de simulação ancestral, usando menos de um milionésimo de sua potência durante 1 segundo.

A escala de Kardashev e os tipos de civilizações.

Se avançarmos à uma taxa que avançamos até agora, uma civilização pós-humana poderia eventualmente chegar ao ponto onde o número desses computadores construído seria “astronômico”. Dentro desta rede maciça, nós colocaríamos réplicas das mentes de nossos antepassados para jogar suas vidas em uma simulação gigante.

Assumindo que essas mentes tinham uma “consciência”, algo que os cientistas estão falando agora, com a consideração de que os robôs do futuro podem precisar de direitos humanos próprios, o argumento fica bastante circular. É assim que funciona:

“Poderia ser o caso de que a grande maioria das mentes como a nossa não pertencem à raça original, mas sim às pessoas simuladas pelos descendentes avançados de uma raça original.

É então possível argumentar que, se fosse esse o caso, seria racional pensar que provavelmente estamos entre as mentes simuladas e não entre as biológicas originais.

Portanto, se não pensarmos que somos personagens de vídeo game, estamos atualmente vivendo em uma simulação computacional, não temos o direito de acreditar que teremos descendentes que executarão muitas dessas simulações de seus antepassados”.

Basicamente, o que Bostrom está dizendo é que os seres humanos quase certamente morrerão antes mesmo disso acontecer (olá, mudança climática); Nenhuma civilização avançada na história do Universo continha indivíduos ricos que estavam interessados em executar simulações ancestrais; Ou quase certamente vivemos em uma simulação.

Quem será responsabilizado legalmente quando máquinas inteligentes causarem acidentes?

Na conversa abaixo, Musk argumenta para que a terceira opção ser verdade, mas Bostrom ele mesmo disse que você não pode realmente escolher entre os três, com base na informação que temos atualmente sobre a nossa própria existência.

O problema com esse pensamento, Klein argumenta, que ele depende da ideia de que seríamos capazes de recriar a consciência em um videogame, dizendo:

“Não vejo uma razão para acreditar que mesmo civilizações muito avançadas conseguirão simular facilmente a consciência, mas isso é exatamente o que uma consciência simulada que acredita ser um participante especial na realidade básica diria, não é?”

Você pode ler o artigo inteiro aqui, assistir o argumento de Musk abaixo, e conferir o debate mais amplo nosite de argumentos de simulação. Só, se você cair no buraco do coelho e nunca sair, por favor, não envie alguém para jogar ovos nas nossas casas, ok?

Fonte: Science Alert

7 thoughts on “Somos personagens de vídeo game de uma civilização avançada

      1. Quando morremos, então nós apenas deixamos de existir nessa simulação? Então, se essa civilização que criou nossa simulação, de forma tão perfeita, tem consciência, do nosso sofrimento? Tem consciência de como o nosso sofrimento parece real para nós? São então maquiavélicos? Brincam de Deuses? Ou são verdadeiramente Deuses? Evoluiremos para isso? O passa-tempo do futuro do futuro será recriar o passado remoto e toda história? Se existiu uma primeira civilização…quem a criou? Precisamos da resposta certa definitiva ou da pergunta certa definitiva?

        1. Nossos emoções geram energia de várias faixas de frequência, o sofrimento é uma das maiores frequências energéticas. As respostam tem para quem não tem medo de encará-las e fazer as perguntas certas.

  1. A pergunta é:
    Por que uma civilização do futuro, perderia tempo construindo um programa tão sofisticado que imitasse a própria vida?
    Ok….vamos consideração que somos a simulação de uma universo inteiramente criado computacionalmente falando. Ou que sejamos a simulação da simulação, ou a sombra da projeção holográfica criada.
    Então…existiu de fato uma civilização primeira? Quem garante, que não somos a primeira civilização?
    Se o homem do futuro ou o hibrido máquina/homem criou uma simulação tão sofisticada, ele se tornou um Deus. E sendo um Deus, onipresente, onisciente e onipresente, as escrituras estavam de certa forma certas, quando dizem: Deus nos criou a sua imagem e semelhança? Somos nosso próprio Deus?
    Não existem alguns paradóxos nessas teorias todas?
    Uma montante de informação para criar uma simulação de uma vida inteira de gerações e gerações consumiria quanta energia?
    Seriam os buracos negros, os encanamentos do Mário Brós cósmico? rss

    1. Nos somos os que dão energia aos seres que criaram a simulação, isso é o que posso te dizer, todas as informações são muito complexas pra se entender de uma vez, levei 10 anos pra digerir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: