Bem EstarConhecimento

A música poderia nos ajudar sermos mais empáticos?

A música parece ser uma cola social. Pense em como as canções de amor melhoram nossos sentimentos românticos, como as bandas de música intensificam nossa afinidade com o time da casa ou como grandes shows de rock nos fazem sentir um com uma multidão de milhares de pessoas. A música tem algum poder especial para aumentar nosso senso de conexão e nos ajudar a nos afiliar a outras pessoas.

Mas por que? O que está acontecendo em nossos cérebros que faz com que um conjunto isolado de sons ressoe dessa maneira? Um novo estudo neurocientífico teve como objetivo descobrir.

No estudo, os pesquisadores examinaram os cérebros de vinte estudantes universitários usando a tecnologia de ressonância magnética funcional enquanto escutavam clipes muito curtos de música, alguns familiares e alguns desconhecidos para eles, e alguns que poderiam gostar ou não gostar, de acordo com o que os pesquisadores pudessem reunir sobre seu gosto musical. A ideia era ver como os cérebros das pessoas respondiam a esses diferentes tipos de música e depois compará-los.

Depois, as pessoas avaliavam a música que ouviam e relatavam como eram empáticas na vida cotidiana, ou seja, o quanto elas tendiam a sentir simpatia pelos outros em perigo e eram capazes de adotar a perspectiva de outra pessoa. Os pesquisadores suspeitaram que a empatia, um fator importante no desenvolvimento de relações sociais, que cria um padrão distinto no cérebro quando as pessoas o experimentam, pode influenciar a forma como processamos a música.

Os centros de recompensa

Analisando as imagens escaneadas do cérebro, revelou-se alguns padrões interessantes. As pessoas altamente empáticas tendiam a ter uma ativação significativamente maior em seus cérebros em geral e, especificamente, nos centros de recompensa do cérebro quando ouviam música familiar de que gostavam, ou seja, pareciam achar a música mais prazerosa do que pessoas com pouca empatia.

Eles também tiveram uma ativação mais alta nas partes do cérebro envolvidas no processamento da informação social, como quando você tenta entender a perspectiva de outra pessoa ou o que ela pode estar sentindo.

Pessoas que são altamente empáticas processam a música de maneira diferente em seus cérebros.

De acordo com o pesquisador-chefe Zachery Wallmark, da Southern Methodist University, essa descoberta é enorme. Ele sugere que a música é processada usando a mesma arquitetura neural usada para empatia e outras tarefas sociais, e que a música provavelmente “pegou carona” (em um sentido evolucionário) nos sistemas neurais que evoluíram para nos ajudar a navegar em nosso mundo social. Ele explica:

Quando ouvimos música ou nos envolvemos com música, é essencialmente um compromisso social. As pessoas com empatia mais elevada, que são mais sensíveis ao estímulo social, ouvem música como se estivessem na presença virtual de outra pessoa.

Curiosamente, pessoas altamente empáticas também pareciam apreciar músicas desconhecidas mais do que pessoas menos empáticas, pelo menos quando avaliaram a música depois de ouvir. Isso é particularmente interessante, já que as pessoas tendem a receber menos recompensa e diversão de músicas desconhecidas. No entanto, mesmo que as pessoas empáticas dissessem que gostavam mais da música, seus cérebros contavam uma história diferente, sem ativação aumentada em seus centros de prazer, como você poderia esperar.

Por que é que? O Wallmark não tem certeza; Ele diz que é possível que pessoas altamente empáticas queiram parecer mais agradáveis aos pesquisadores, então eles avaliam a música que eles não gostam mais positivamente, mesmo que eles não gostem verdadeiramente dela.

Pessoas com maior empatia parecem ficar mais felizes com música.

Mas também é possível que eles estejam mais dispostos a dar uma chance à música. Ele e seus colegas notaram um padrão distinto quando pessoas altamente empáticas ouviam música de que não gostavam, familiares ou não: tinham atividade aumentada no córtex pré-frontal dorsolateral do cérebro, uma área responsável por diminuir sentimentos intensos, diz Wallmark.

Nossa interpretação é que quando as pessoas de alta empatia estão ouvindo música de que não gostam, estão colocando um freio em suas emoções negativas e tentando dar à música o benefício da dúvida de uma maneira que as pessoas que são mais baixas em empatia não.

Isso significa que ouvir música poderia nos ajudar a ser mais empáticos em relação aos outros, a dar-lhes o benefício da dúvida? Wallmark gostaria de testar essa ideia em estudos futuros. Ele aponta para pesquisas anteriores que mostram que a música parece impulsionar nossas reações empáticas, e ele está otimista de que isso seja verdade.

O estudo de Wallmark aumenta a evidência crescente de que a música desempenha um papel especial na ligação social. Embora as pessoas na cultura ocidental gostem frequentemente de ouvir música passivamente no rádio ou em nossos smartphones, diz Wallmark, ela provavelmente tem um valor mais profundo para os seres humanos além do prazer estético.

[Música] pode ser esse ingrediente crucial que evoluiu ao longo de muitos anos para nos ajudar a navegar em nosso ambiente social, aumentar o vínculo social e coordenar com os outros.

Publicado Originalmente em UpLiftConnect

 

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: