Rússia desconectada da internet global

Rússia desconectada da internet global. Veja o que isso realmente significa

O plano vai ser complicado, tanto tecnicamente como politicamente, mas o Kremlin está de olho na auto-suficiência.

Nas próximas duas semanas, a Rússia está planejando tentar algo que nenhum outro país tentou antes. Ela vai testar se pode desconectar do resto do mundo eletronicamente enquanto mantém a internet funcionando para seus cidadãos. Isso significa que terá que redirecionar todos os seus dados internamente, em vez de depender de servidores no exterior.

O teste é fundamental para uma proposta de lei de “Internet soberana” que atualmente está sendo implementada no governo da Rússia. Parece provável que seja eventualmente votado e sancionado pelo presidente Vladimir Putin, embora tenha parado no parlamento por enquanto.

A Rússia pode realmente se desconectar da Internet?

Puxar uma cortina de ferro pela internet é uma ideia simples, mas não se engane: é um desafio técnico diabolicamente difícil de acertar. Também vai ser muito caro. O custo inicial do projeto foi fixado em US $ 38 milhões pelo órgão regulador financeiro da Rússia, mas é provável que exija muito mais fundos do que isso. Um dos autores do plano disse que serão mais de US $ 304 milhões, segundo a Bloomberg, mas mesmo esse número, segundo especialistas do setor, não será suficiente para colocar o sistema em funcionamento, e muito menos mantê-lo.

A Rússia desconectada da internet global já provou ser profundamente impopular com o público em geral. Estima-se que 15.000 pessoas tomaram as ruas em Moscou no início deste mês para protestar contra a lei, uma das maiores manifestações em anos.

Rússia desconectada da internet global

Então, como a Rússia realmente se desconectará da internet global? “Não está claro o que o ‘teste de desconexão’ pode implicar”, diz Andrew Sullivan, presidente e diretor executivo da Internet Society. Tudo o que sabemos é que, se ela for aprovada, a nova lei exigirá que os provedores de serviços de Internet (ISPs) do país usem apenas pontos de troca dentro do país que sejam aprovados pelo regulador de telecomunicações da Rússia, Roskomnadzor.

Esses pontos de troca são onde os provedores de serviços de internet se conectam uns com os outros. É onde o cabeamento se encontra em locais físicos para trocar tráfego. Esses locais são supervisionados por organizações conhecidas como provedores de troca de internet (IXPs). O maior IXP da Rússia está em Moscou, conectando cidades no leste da Rússia, mas também em Riga, na vizinha Letônia.

O MSK-IX, como este ponto de troca é conhecido, é um dos maiores do mundo. Ele conecta mais de 500 ISPs diferentes e processa mais de 140 gigabits de taxa de transferência durante os horários de pico nos dias de semana. Existem outros seis pontos de troca de acesso à Internet na Rússia, abrangendo a maioria dos seus 11 fusos horários. Muitos ISPs também usam bolsas que estão fisicamente localizadas em países vizinhos ou que são de propriedade de empresas estrangeiras. Estes agora estariam fora dos limites. Uma vez que este estágio esteja completo, ele fornecerá à Rússia uma “chave liga / desliga” literal e física para decidir se sua internet está protegida do mundo externo ou mantida em aberto.

O que há em um nome?

Além de redirecionar seus ISPs, a Rússia também terá que desconectar-se do sistema global de nomes de domínio (DNS) para que o tráfego não possa ser desviado através de pontos de troca que não estejam dentro da Rússia.

O DNS é basicamente uma lista telefônica para a internet: quando você digita, por exemplo, “google.com” em seu navegador, seu computador usa o DNS para traduzir esse nome de domínio em um endereço IP, que identifica o servidor correto na internet para enviar o pedido. Se um servidor não responder a uma solicitação, outro entrará em cena. O tráfego se comporta da mesma forma que a água – ele buscará qualquer espaço que possa fluir.

“Os criadores do DNS queriam criar um sistema capaz de funcionar mesmo quando partes dele parassem de funcionar, independentemente de a decisão de quebrar partes dele fosse deliberada ou acidental”, diz Brad Karp, cientista da computação da University College London. Essa resiliência embutida na estrutura subjacente da internet tornará o plano da Rússia ainda mais difícil de realizar.

A mecânica real do DNS é operada por uma grande variedade de organizações, mas a maioria dos “servidores-raiz”, que são sua camada básica, são executados por grupos nos EUA. A Rússia vê isso como uma fraqueza estratégica e quer criar sua própria alternativa, configurando toda uma nova rede de seus próprios servidores-raiz.

A Rússia pode realmente se desconectar da Internet?

“Um DNS alternativo pode ser usado para criar uma realidade alternativa para a maioria dos usuários de internet russos”, diz Ameet Naik, especialista em monitoramento da Internet para a empresa de software ThousandEyes. “Quem controla esse diretório controla a internet.” Assim, se a Rússia puder criar seu próprio DNS, terá pelo menos uma aparência de controle sobre a internet dentro de suas fronteiras.

Isso não será fácil, diz Sullivan. Isso envolverá a configuração de dezenas de milhares de sistemas, e será difícil, se não impossível, identificar todos os diferentes pontos de acesso que os cidadãos usam para ficar on-line (seus laptops, smartphones, iPads e assim por diante). Alguns deles usarão servidores no exterior, como o DNS público do Google, que a Rússia simplesmente não conseguirá reproduzir. Assim, a conexão falhará quando um usuário russo tentar acessá-los.

Se a Rússia conseguir instalar sua própria infraestrutura de DNS em todo o país e forçar seus ISPs a usá-la, os usuários russos provavelmente não perceberão, a menos que tentem acessar um site censurado. Por exemplo, um usuário tentando se conectar ao facebook.com pode ser redirecionado para o vk.com, que é um serviço de mídia social da Rússia com uma semelhança incomum com o Facebook.

O próximo teste – nenhuma data oficial foi dada – nos mostrará se a preparação necessária foi feita. Para o Ocidente, é importante não subestimar a vontade ou capacidade do Estado russo de garantir que isso aconteça.

Resiliência e controle

O objetivo, diz o Kremlin, é tornar a Internet da Rússia independente e mais fácil de se defender contra ataques do exterior. Para começar, poderia ajudar a Rússia a resistir às sanções existentes dos EUA e da UE e a quaisquer possíveis medidas futuras. Também faz sentido tornar a internet dentro do seu país acessível, no caso de ser fisicamente separada do resto do mundo. Por exemplo, em 2008, houve três ocorrências separadas de danos importantes ao cabeamento físico da Internet no fundo do mar (atribuídos às âncoras dos navios), que cortaram o acesso de usuários no Oriente Médio, na Índia e em Cingapura. Se os países afetados tivessem sido capazes de redirecionar o tráfego, essa interrupção poderia ter sido evitada.

Muitos observadores vêem o movimento como parte da longa tradição russa de tentar controlar o fluxo de informações entre os cidadãos. A Rússia já aprovou uma legislação que exige que os mecanismos de busca excluam alguns resultados e, em 2014, obrigou as redes sociais a armazenar os dados dos usuários russos em servidores dentro do país. Também baniu aplicativos de mensagens criptografadas como o Telegram. Apenas nesta semana, o governo da Rússia sancionou duas novas leis vagamente formuladas que tornam crime “desrespeitar o estado” ou divulgar “notícias falsas” on-line. O novo plano para redirecionar o tráfego russo é uma “escalada”, diz Sergey Sanovich, pesquisador russo de Stanford especializado em censura online. “Eu diria que é uma escalada perigosa”, acrescenta ele.

Rússia desconectada da internet global
Imagem: Associated Press

Se assim for, é um escalonamento que está chegando há muito tempo. A conversa entre os provedores e os serviços de segurança está em andamento há mais de duas décadas, segundo Keir Giles, especialista em segurança russa que trabalha para o Chatham House. As autoridades de segurança na Rússia sempre consideraram a internet mais uma ameaça do que uma oportunidade.

“A Rússia quer ser capaz de fazer isso enquanto se isola das conseqüências, se antecipando preventivamente à infraestrutura global”, diz Giles.

Se a Rússia está buscando inspiração, basta olhar para o leste. A China tem sido tremendamente bem sucedida em moldar a experiência on-line para seus cidadãos a seu favor. No entanto, a China decidiu exercer um alto grau de controle sobre o desenvolvimento da Internet enquanto estava em um estágio inicial. A Rússia estava preocupada na época com o colapso da União Soviética, por isso é bastante tarde para o partido. A China incorporou a infra-estrutura local de ISP e DNS que a Rússia espera construir no início dos anos 2000. Tentar impor essa arquitetura retrospectivamente é muito mais difícil. “A China assumiu o controle muito cedo e decidiu que todo o tráfego que entra e sai deve ser controlado e regulado”, diz Naik.

A queda

Em contraste, as empresas e cidadãos russos estão firmemente enredados na Internet global e usam muito mais serviços estrangeiros, como as ferramentas de nuvem da Microsoft, do que os chineses. Ainda não está claro o impacto que a desconexão terá sobre eles, mas é possível que, se o plug for ativado em rotas de tráfego externas, os cidadãos russos possam perder o acesso a eles. Embora muitos serviços em nuvem possam “espelhar” seu conteúdo em diferentes regiões, nenhum dos principais serviços de nuvem (Microsoft, Google ou Amazon Web Services) possui centros de dados baseados na Rússia. Replicar esses serviços dentro das fronteiras da Rússia não é trivial e exigiria investimento e tempo significativos, diz Naik. O próximo teste pode ser destinado a resolver esse problema, de acordo com Sullivan.

Outro problema potencial é que muitos ISPs russos transportam tráfego em nome de outras empresas ou ISPs, com acordos recíprocos de que eles também transportam tráfego para ISPs da Rússia. Se isso for feito incorretamente, o plano da Rússia significa que “todo o tráfego entrando e saindo da Rússia cairá em um buraco negro”, diz Naik.

Se a experiência der errado e grande parte da Internet cair na Rússia, isso pode custar caro à economia do país (desconectar-se da internet tem sido incrivelmente caro para os países que a experimentaram, deliberadamente ou não). Isso não significa que o Kremlin não vai prosseguir com isso, acredita Giles.

Se isso acontecer, não espere que os russos entreguem seus direitos na Internet livremente: como na China, é provável que cidadãos determinados, com experiência em tecnologia, sejam capazes de explorar qualquer ponto fraco do sistema e contorná-lo. Por exemplo, durante os protestos na Turquia, as pessoas compartilhavam maneiras de acessar o DNS global diretamente, frustrando, assim, o bloqueio do governo em sites de mídia social.

Como as notícias falsas afetam seu cérebro

Um evento recente que pode ter dado à Rússia mais ímpeto para impulsionar o plano é a invasão do Cyber ​​Comando da Agência de Pesquisa na Internet dos EUA, a infame “fábrica de trolls” russa que supostamente usou as mídias sociais para semear a divisão nos EUA durante o Eleição de 2016.

“A ameaça é real. O número de pessoas que acessam o conteúdo da Internet antigoverno está crescendo ”, diz Kirill Gusov, jornalista e especialista político em Moscou. O governo controla a mídia e a televisão, mas a internet permanece além de seu alcance. “Eu não ficaria surpreso se o FSB [o sucessor da KGB] se aproximasse de Putin e informasse sobre este ataque, que coincidiu com o desejo deles de suprimir a liberdade na Internet porque eles estão perdendo o controle sobre a sociedade”, diz ele.

Embora ainda não esteja claro quando a lei se tornará uma realidade, o governo russo não é conhecido por ser flexível ou responder à pressão da opinião pública. É muito mais provável que seja atrasado do que morto.

Texto: Charlotte Jee do Mit Technology Review. Veja o artigo original em inglês aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: