Tecnologia

Rede Social tem prazo de validade? Conheça as que já se foram e as que estão ameaçadas

Elas nascem, crescem e também morrem! Confira uma lista de redes que foram descontinuadas e as que estão ativas na atualidade.

“Scrap”, “curtir”, “twettar”, “postar” e “stories”. Mesmo quem não utiliza a Internet com frequência já ouviu essas expressões nos últimos anos. Elas são amostras do sucesso das redes sociais.

De acordo com relatório das agências Hootsuite e We Are Social, quase metade do planeta está conectada a alguma rede: cerca de 3,2 bilhões de pessoas, 42% da população mundial. No Brasil, esse índice é ainda maior: 62% dos brasileiros possuem, pelo menos, uma conta.

[pub_quadro_google]

A interatividade, os múltiplos recursos multimídias e as diferentes informações reunidas em um só espaço explicam, em partes, o sucesso que essa categoria de sites obteve ao longo dos últimos anos.

Mas essa jornada não foi fácil. Entre erros e acertos, algumas sobreviveram, mas outras desapareceram.

Orkut: das comunidades aos depoimentos

Rede Social tem prazo de validade

Criado por um engenheiro turco de mesmo nome, o Orkut nasceu em 2004 e foi febre no Brasil e na Índia até meados de 2010. Após anos de queda no número de usuários, o serviço foi encerrado em 2014 e deixou uma legião de fãs com saudade.

Essa rede social tinha uma vantagem sobre as demais: a criação de comunidades, onde as pessoas poderiam conversar com outras sobre temas em comum. Além disso, o álbum de fotos, os depoimentos e os scraps (recados) também eram atrações.

[Afiliados_300_250]

A forte expansão do Facebook em escala global e a falta de controle sobre os inúmeros perfis falsos explicam a decadência do Orkut até sua “morte”.

MySpace e suas opções multimídias

Não, o MySpace não morreu. Criada em 2003, a rede social segue na ativa, mas em completo ostracismo. Os últimos dados de navegação são de 2016 e a empresa divulgou que 50 milhões de usuários ainda tinham conta lá – bem distante das 110 milhões de visitas diárias em 2008.

A plataforma foi dominante em grande parte do mercado global até 2010 por ser a primeira experiência multimídia bem sucedida, atraindo artistas e bandas musicais. Nela, era possível fazer upload de fotos, músicas e ainda compartilhar informações em um blog.

A razão de sua queda também é simples. A empresa não conseguiu acompanhar a concorrência, principalmente o Facebook, e não se adaptou à realidade mobile com os smartphones.

Flogs e a possibilidade de postar diversas fotos

Outra rede social que muitos pensam que morreu, mas segue na ativa. O Flog, mistura de blog com foto, nasceu com diferentes plataformas nos anos 2000. O Fotolog, mais famoso, chegou a ter 22 milhões de usuários em 2009.

Seu sucesso é praticamente o mesmo do Instagram: a possibilidade de postar fotos diárias sobre o dia a dia e interagir com os demais usuários. O crescimento acompanhou a evolução das câmeras digitais.

[adcash_300_250]

A evolução, porém, durou pouco. A evolução das demais redes e das câmeras nos celulares permitiu que o usuário postasse diretamente no Facebook, por exemplo. Alguns serviços foram descontinuados, mas outros ainda resistem. O Flogão, versão brasileira, segue funcionando.

Facebook

É a grande rede social do momento e, diante do poder que ela exerce, muitos questionam até onde pode chegar. O Facebook nasceu em 2004, nos Estados Unidos, e permitiu a entrada de outros países em 2006. Hoje, tem 2,3 bilhões de usuários mensais.

Além do botão “curtir”, ícone da empresa, foi outro serviço que impulsionou seu crescimento. O feed de notícias permitiu que as pessoas acompanhassem tendências de seus amigos, empresas e demais páginas que resolvesse seguir.

Hoje, é uma das maiores empresas do mundo, com diversos ramos de negócios. Entretanto, o desafio é manter-se em constante inovação para mostrar que é possível uma rede social sobreviver por várias gerações.

Instagram

Com quase 1 bilhão de usuários, o Instagram nasceu em 2010 e soube aproveitar muito bem a expansão dos smartphones. Diferentemente das demais, é um serviço que deve ser utilizado exclusivamente por smartphones.

Sua principal característica é a possibilidade de postar fotos e vídeos curtos sobre sua vida e, ao mesmo tempo, acompanhar tendências e as fotos de quem você deseja seguir. É uma ferramenta bem mais interativa e dinâmica do que o flog, por exemplo.

[afiliados_250_250]

O aplicativo está em plena forma e parece estar longe de uma queda – ainda mais com a utilização constante da função “Stories”. Resta saber até quando a empresa continuará com fôlego para atrair e manter seus usuários.

Snapchat

É o que está acontecendo neste momento com o Snapchat. Ele nasceu em 2011 e é a mais nova rede social da lista. Após uma explosão no número de participantes entre 2012 e 2014, ela caminha para uma estagnação que pode comprometer seu futuro.

O aplicativo introduziu um conceito novo nesse negócio: a possibilidade de postar foto ou vídeo com prazo de duração. Ou seja, o conteúdo fica disponível por 24 horas e depois é excluído de forma automática – ideal para quem deseja registrar um momento ao vivo a seus seguidores.

O problema é que a empresa teve o menor crescimento da sua história no primeiro trimestre de 2018 e possui 200 milhões de usuários. Bem menos do que os usuários de serviços semelhantes no Instagram e Whatsapp.

Redes sociais nascem – e morrem

As redes sociais operam naquilo que é uma premissa do mundo online: conectar pessoas. Mas também sofrem com a perenidade, outra característica da evolução tecnológica. Nenhum serviço é para sempre se não se atualizar e acompanhar as inovações de sua época.

Nesse vai-e-vem, os usuários escolhem os serviços que mais lhe agradam e, atualmente, que acompanham a mobilidade permitida pelos smartphones. Praticamente todas as plataformas possuem aplicativos para facilitar o acesso.

Portanto, isso explica porque o mobile impactou mais do que uma rede social específica. O aparelho se transformou no hub do usuário, merecendo todos os cuidados possíveis (antivírus ou seguro para celular). É por meio dele que ele se conecta com o mundo.

Texto: Luana Sudré, Link Building/SEO Marketing

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: