o núcleo escuro da personalidadeSociedade 

Psicólogos definem o núcleo escuro da personalidade

O núcleo escuro da personalidade, egoísmo, maquiavelismo, narcisismo, a psicopatia, o sadismo, o mal-estar e outros estão entre os traços que representam os lados sombrios e malévolos da personalidade humana. Como resultado de um projeto de pesquisa alemão-dinamarquês recentemente publicado, esses traços compartilham um “núcleo escuro” comum. Então, se você tem uma dessas tendências, também é provável que você tenha uma ou mais das outras.

Tanto a história do mundo quanto a vida cotidiana estão repletas de exemplos de pessoas agindo impiedosamente, de forma maliciosa ou egoísta. Na psicologia, assim como na linguagem cotidiana, temos nomes diversos para as várias tendências sombrias que o ser humano pode ter, principalmente psicopatia (falta de empatia), narcisismo (auto-absorção excessiva) e maquiavelismo (a crença de que os fins justificam os meios), a chamada “tríade das trevas”, juntamente com muitas outras, como egoísmo, sadismo ou maldade.

Embora à primeira vista pareça haver diferenças notáveis ​​entre esses traços, e pode parecer mais “aceitável” ser um egoísta do que um psicopata, uma nova pesquisa mostra que todos os aspectos obscuros da personalidade humana estão intimamente ligados e são baseados em a mesma tendência. Isto é, a maioria das características obscuras pode ser entendida como manifestações com sabor de uma única disposição subjacente comum: o núcleo escuro da personalidade. Na prática, isso implica que, se você tem uma tendência a mostrar um desses traços sombrios de personalidade, também é mais provável que você tenha uma forte tendência a exibir um ou mais dos outros.

Como as emoções negativas podem afetar sua saúde

Como a nova pesquisa revela, o denominador comum de todos os traços obscuros, o fator D, pode ser definido como a tendência geral de maximizar a utilidade individual de alguém, desconsiderando, aceitando ou provocando malevolamente a desutilidade para os outros, acompanhada de crenças que servem como justificativas.

Em outras palavras, todos os traços obscuros podem ser rastreados até a tendência geral de colocar os próprios objetivos e interesses sobre os dos outros, até mesmo ao ponto de sentir prazer em ferir os outros, junto com uma série de crenças que servem como justificativas e, assim, evitar sentimentos de culpa, vergonha ou algo parecido.

A pesquisa mostra que o núcleo escuro da personalidade em geral podem ser entendido como exemplos das personalidade, embora possam diferir em quais aspectos são predominantes (por exemplo, o aspecto justificativa é muito forte no narcisismo, enquanto o aspecto de provocar desutilidade malévola é o principal característica do sadismo).

O silêncio é muito mais importante para nossos cérebros

Ingo Zettler, professor de psicologia na Universidade de Copenhague, e dois colegas alemães, Morten Moshagen, da Universidade de Ulm e Benjamin E. Hilbig, da Universidade de Koblenz-Landau, demonstraram como esse denominador comum está presente em nove dos mais comumente estudados traços de personalidade sombria:

  • Egoísmo: uma preocupação excessiva com a própria vantagem à custa dos outros e da comunidade.
  • Maquiavelismo: uma atitude manipuladora e insensível e uma crença de que os fins justificam os meios.
  • Desengajamento moral: estilo de processamento cognitivo que permite comportar-se de maneira antiética sem sentir angústia.
  • Narcisismo: auto-absorção excessiva, senso de superioridade e extrema necessidade de atenção dos outros.
  • Direito psicológico: uma crença recorrente de que um é melhor que outros e merece melhor tratamento.
  • Psicopatia: falta de empatia e autocontrole, combinada com comportamento impulsivo.
  • Sadismo: desejo de infligir danos mentais ou físicos aos outros para o próprio prazer ou para beneficiar-se.
  • Auto-interesse: o desejo de promover e destacar o próprio status social e financeiro.
  • Ressentimento: destrutividade e vontade de causar dano aos outros, mesmo se alguém se prejudica no processo.

 

Artigo publicado originalmente no site: Sciencedaily. Veja o artigo completo aqui

Related posts

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: