Sociedade

Proibição total do glifosato por um País da União Européia

A Áustria está a caminho de se tornar o primeiro país da União Europeia a proibir totalmente o herbicida mais utilizado no mundo depois que a Câmara Baixa do país aprovou uma lei com a proibição total do glifosato, ao qual, pesquisadores e especialistas em saúde global amarraram-no ao câncer.

“A evidência científica do efeito carcinogênico do veneno de plantas está aumentando”, disse a líder dos social-democratas da Áustria, Pamela Rendi-Wagner, em um comunicado. “É nossa responsabilidade banir este veneno do nosso meio ambiente”.

O glifosato é um ingrediente-chave no Roundup – um produto da Monsanto, uma empresa dos EUA que se fundiu com a gigante farmacêutica alemã Bayer no ano passado. A agência de notícias Reuters observou que “agora está fora da patente e comercializada em todo o mundo por dezenas de outros grupos químicos, incluindo a Dow Agrosciences e a alemã BASF”.

Em 2015, o glifosato foi classificado como “provável carcinogênico” pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer da Organização Mundial de Saúde. Apesar dessa designação, da crescente preocupação do público e de uma série de batalhas judiciais por pacientes com câncer nos Estados Unidos, a Bayer afirmou que o Roundup é seguro – e os órgãos reguladores dos EUA e da UE continuaram permitindo o uso generalizado do herbicida .



Katharina Rall, pesquisadora da Divisão de Meio Ambiente e Direitos Humanos da Human Rights Watch, acolheu a decisão dos parlamentares austríacos como “boas notícias”.

Após a votação na câmara baixa na terça-feira, a emissora alemã Deutsche Welle informou que “a menos que a câmara alta da Áustria se oponha pela proibição do glifosato, a lei será sancionada pelo presidente do país, Alexander Van der Bellen”.

A DW apontou que a proibição, se entrar em vigor, colocará a Áustria em desacordo com a política da UE sobre o glifosato.

Essa proibição aparentemente colidiria com as regras da União Européia, já que, em 2017, o bloco liberou o herbicida para uso nos próximos cinco anos. A U.E. depende da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) e da Agência Europeia dos Produtos Químicos, que não classificaram o glifosato como cancerígeno. No entanto, os relatórios do início deste ano indicaram que alguns reguladores europeus estavam copiando e colando de estudos conduzidos pela própria Monsanto.

Um porta-voz da Bayer disse ao Wall Street Journal: “Esperamos que a Comissão Européia revise criticamente essa decisão, pois pode ser incompatível com os requisitos legais e processuais obrigatórios e o raciocínio científico”.

O projeto de proibição total do glifosato também foi criticado por motivos legais pelo Partido da Paz da Áustria (OVP), que se opôs à proibição como “um tapa na cara para os agricultores”, bem como pelo ministério de sustentabilidade do país, responsável pela agricultura e pelo meio ambiente. .

No entanto, o Partido da Liberdade de extrema-direita (FPÖ) da Áustria juntou-se ao partido liberal Neos e aos social-democratas na terça-feira ao aprovar o projeto. Colocando esse voto em contexto, a Reuters explicou que o país “é atualmente liderado por um governo provisório de funcionários públicos antes das eleições parlamentares esperadas para setembro. Os partidos políticos estão formando alianças para aprovar leis que apelam aos seus eleitores antes que o parlamento entre em recesso esta semana até a eleição.”

Produtos químicos que prejudicam a fertilidade

Erwin Preiner, um membro do parlamento austríaco para os social-democratas que trabalhavam na proibição total do glifosato, disse ao jornal: “Queremos ser um modelo para outros países na UE. e o mundo.”

A partir de 2017, a Áustria teve a maior porção de terras agrícolas orgânicas entre todos os estados membros da UE – 23,4 por cento, em comparação com a média do bloco de apenas 7 por cento. Embora a ação da Áustria contra o glifosato possa ser a mais ousada da Europa, o país não está sozinho ao considerar regulamentos rígidos do herbicida.

“Entre os parceiros da Áustria na UE, a França afirmou em 2017 que pretende proibir o glifosato em três anos, mas o presidente Emmanuel Macron já disse que uma medida desse tipo não poderia ser ‘100%'”, relatou a Agence France-Presse. “Em maio de 2018, o governo francês prometeu banir o glifosato ‘para seus principais usos’ até 2021, e ‘para todos os seus usos’ dentro de cinco anos. Em janeiro de 2019, as autoridades francesas proibiram a venda do Roundup Pro 360.”

Sobre a autora: Jessica Corbett é uma escritora da Common Dreams. Siga-a no Twitter: @corbett_jessica

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: