Sociedade Tecnologia 

Os veículos autônomos nos tornarão mais dependentes de carros?

Cidades em toda a Europa estão tomando medidas para se tornarem cada vez mais livres de carros. O prefeito de Londres, Sadiq Khan, quer que 80 por cento de todas as viagens sejam feitas a pé, de bicicleta ou usando transporte público até 2041. As autoridades de Copenhague querem que três quartos de todas as viagens sejam feitas até 2025.

Os legisladores em Paris querem reduzir pela metade o número de carros particulares no centro da cidade, e Madri banirá todos os veículos não-residentes, exceto veículos de emissão zero, táxis e transporte público do centro da cidade em novembro de 2018. Em Helsinque, o objetivo é o uso de carros particulares até 2050, oferecendo transporte público acessível e sob demanda.

[pub_quadro_google]

Além de reduzir o congestionamento e melhorar a mobilidade urbana, espera-se que os líderes da cidade promovam o crescimento econômico sustentável, melhorem a qualidade do ar e respondam às preocupações dos moradores, todos com orçamentos apertados. Em um mundo onde o talento e o investimento são cada vez mais móveis, os líderes da cidade sabem que precisam competir em termos de dinamismo econômico e qualidade de vida. O planejamento de transporte é uma maneira de fazer isso.

Boon ou Burden?

Mas os fabricantes de automóveis e gigantes da tecnologia estão olhando para um tipo muito diferente de futuro, onde a propriedade de carros particulares, controle humano e motores a gasolina e diesel são substituídos por veículos compartilhados, elétricos e autônomos, ou auto dirigidos.

Muitas dessas mudanças podem ser positivas para a sociedade, em comparação com os sistemas de transporte atuais. É provável que os veículos autônomos acabarão por ser melhores condutores do que os humanos, o que reduziria o número de acidentes e mortes na estrada. Eles também podem fornecer acessibilidade muito necessária para idosos e pessoas com deficiência, o que seria benéfico não só para eles, mas a economia em geral.

Os veículos autônomos no futuro serão bem diferentes dos atuais

Sem a necessidade de dirigir, as pessoas poderão ser mais produtivas durante a viagem. Se as pessoas conseguirem chamar um carro com o toque de um telefone inteligente, a propriedade do carro cairá, o que liberará os trechos substanciais de áreas urbanas usadas atualmente para estacionar veículos.

E, com os incentivos certos, os viajantes poderiam ser encorajados a usar o veículo mais eficiente para cada viagem, com reduções substanciais nas emissões e na poluição. Também haveria benefícios para as entregas de frete, que poderiam ser realizadas à noite, quando houvesse mais capacidade viária disponível.

[Afiliados_300_250]

Mas algumas mudanças podem ser negativas. É provável que os carros autônomos aumentem, em vez de diminuir, as viagens de carro, pois as pessoas sucumbem ao fascínio da conveniência e mudam do transporte público ou fazem mais viagens. Os veículos autônomos podem estacionar-se fora dos centros urbanos, mas ainda precisam estacionar, assim como fazer viagens de retorno para coletar passageiros, adicionar carros vazios às estradas e contribuir para o congestionamento e a poluição do ar.

E há muitas perguntas não respondidas sobre como os sistemas urbanos funcionarão com a introdução de veículos autônomos. Por exemplo, não está claro como os veículos autônomos irão coexistir com pedestres e ciclistas. Se eles estiverem programados para parar sempre que um pedestre ou ciclista entrar em seu caminho, haverá pressão para mais veículos, pedestres e ciclistas separados.

A transformação do setor automotivo pela impressão 3D

A visão das cidades do futuro na década de 20 pode começar a parecer cada vez mais com a visão dos anos 50, com novos modelos futuristas dominando o primeiro plano, enquanto atividades humanas como caminhadas e ciclismo são relegadas a viadutos e metrôs sombrios.

De volta ao futuro

A história mostra que as decisões tomadas pelos formuladores de políticas têm efeitos duradouros. Por exemplo, quando os automóveis chegaram pela primeira vez às cidades, os formuladores de políticas em diferentes países adotaram uma abordagem diferente para a questão da mistura de veículos e pedestres.

Nos Estados Unidos, os formuladores de políticas inventaram o conceito de jaywalking e introduziram “para proteger a segurança dos pedestres”. O Reino Unido, por outro lado, adotou uma abordagem mais relaxada, sem introduzir tais leis.

Carro sem motorista e totalmente autônomos

No outro extremo, os formuladores de políticas na Holanda terem tomado a visão de que a partilha de espaços, onde as ruas são projetados especificamente para permitir a interação entre veículos, pedestres e ciclistas, melhorar a segurança para todos, bem como a habitabilidade das cidades de modo mais geral. Essas decisões têm impactos duradouros sobre como as cidades nesses países se parecem e sentem hoje em dia.

[adcash_300_250]

A conversa, a maneira como pensamos sobre o futuro dos veículos autônomos parece estar divorciada das questões mais amplas da cidade. É hora de colocar isso bem. Os prefeitos, apoiados por seus oficiais e planejadores, devem começar a debater agora sobre como os veículos autônomos podem melhor atender às necessidades dos residentes e visitantes. Eles precisam desenvolver esses benefícios, assim como veículos autônomos que chegam às ruas.

Este artigo foi originalmente publicado no site The Conversation. Leia o artigo original.

Related posts

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: