fbpx
News

Migração forçada para a nuvem impulsiona gestão da identidade

Empresas vão precisar evoluir dos controles atuais de identidade para modelos capazes de responder ao novo patamar de risco e complexidade operacional dos negócios.

As tecnologias de gerenciamento e governança da identidade digital, que já vinham crescendo no mercado a taxas de 16% ao ano nos últimos anos, estão passando por uma aceleração incremental na casa dos 25% em 2020. O movimento se deve ao aumento repentino do teletrabalho e das transações online, em sintonia com a disseminação das estruturas cloud.

Na expectativa da brasileira Netbr, uma provedora de IAM (Identity and Access Management), este novo patamar de demanda digital não irá refluir completamente após a reabertura das cidades. E a consequência disto, prevê a empresa, será um risco cibernético mais agudo e uma maior complexidade dos acessos a serem gerenciados.  As dificuldades de controle serão ainda agravadas pela insuficiência de capital humano preparando a gestão destes ambientes mais complexos e superpopulosos.

Entre os complicadores, a Netbr destaca a radicalização de dois componentes:  um número antes impensável de pessoas trabalhando em casa e com acesso direto a sistemas que não foram projetados para tanto. Um fator que vem acompanhado da diversificação das formas e canais de acesso e da maior recorrência das empresas aos serviços de nuvem pública para suportar a velocidade da expansão online. 

Outro ponto de perturbação recente está na maior dispensa e renovação da força de trabalho promovida por reestruturações de emergência, seja por questões financeiras ou por força das mudanças na forma de geração de valor. A Netbr observa que só 20% das empresas dispõem de metodologias de credenciamento e descredenciamento automático de usuários, o que torna a adaptação muito lenta. A este aspecto contribuem também as novas leis de trabalho, que flexibilizam os regimes funcionais e reduzem a estabilidade das identidades na rede.  

“O novo cenário vai pressionar as empresas médias e grandes a irem além dos níveis atuais de controle de identidades. Hoje, muitas delas estão suportadas por processos semi-automatizados ou pouco desenhados, com baixo nível de maturidade. Estas empresas vão precisar partir para a adoção da governança e administração da identidade (IGA) e para a implantação de plataformas de provisionamento/desprovisionamento automático para acompanharem o ciclo de mudanças mais veloz”, explica André Facciolli, diretor da Netbr, principalmente no aspecto de acessos em Cloud.

Hora de partir para a IGA

Segundo o especialista, um diferencial do modelo IGA, na comparação com o gerenciamento puro e simples, está na articulação que a governança realiza entre os controles de identidade e a execução de políticas de eficiência e de conformidade a normas como LGPD ou KYC (Know Your Client).

André Facciolli avalia que as práticas atuais de gerenciamento e governança precisam evoluir para responder a esta migração forçada de parte das operações para a nuvem múltipla. Ele acrescenta que os padrões de controle de identidade ainda predominantes continuam a refletir somente o ambiente legado dos data centers fixos e dos escritórios locais, ou ligados em redes fechadas, e esquecem a realidade dos ambientes mais complexos e dinâmicos.

Com a expansão do processamento em estruturas abstratas, raciocina o diretor, a saída será o emprego de diferentes estratégias, tais como: inteligência artificial, automação intensiva e segurança embutida, abrangendo o gerenciamento de segredos e a assinatura única de usuário (dispensando o uso de senha), bem como o suporte a acessos efêmeros (OTP –  One Time Password).

“O empresário precisa conceber uma governança de identidade e acessos que lhe dê flexibilidade estrutural para o modelo de negócios, garanta a segurança e evite a criação de atrito com clientes, funcionários e fornecedores em suas transações de produção”, explica Facciolli.

Outro requisito, segundo ele, será garantir a independência da TI em relação a ferramentas de gerenciamento nativas de fabricantes como Azure, AWS ou Google Cloud. “A melhor política em relação a isto é que a empresa se habilite a explorar todos estes recursos, de forma nativa ou via integração das peças que compõem este lego de soluções, envolvendo estratégias de  IAM, “Infra as a Code” e “Embedded System Security”, completa.

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: