NewsSaúde

Informações erradas sobre o coronavírus serão removidas do Facebook

É uma jogada rara para o gigante da mídia social, pois busca impedir a propagação de falsas alegações sobre a doença.

83 / 100 SEO Score

O Facebook removerá postagens, fotos e vídeos que revelam Informações erradas sobre o coronavírus, disse a empresa, buscando interromper uma onda de conteúdo que lança falsas curas para a crescente crise de saúde global.

Em uma postagem do blog, a gigante das redes sociais disse que seus esforços resultariam na remoção de alegações perigosas, como as que sugerem que beber alvejante cura o coronavírus, pois elas violam suas políticas que proíbem os usuários de causar danos no mundo real. A nova política também se aplicaria a hashtags que promovam falsidades em seu site de compartilhamento de fotos, o Instagram.

É uma jogada rara para a empresa, que geralmente rotula e rebaixa conteúdo falso ou perturbador, em vez de removê-lo completamente. No passado, essa abordagem provocou críticas de especialistas em saúde, que afirmam que a gigante da tecnologia não agiu de maneira agressiva o suficiente para limitar o alcance daqueles que afirmam que as vacinas são inseguras ou impõem tratamentos falsos de câncer. Outros pediram que o Facebook remova uma variedade mais ampla de falsidades, incluindo postagens, fotos e vídeos políticos deliberadamente incorretos ou enganosos.

A respeito das informações erradas sobre o coronavírus, o Facebook disse que basearia suas decisões em conselhos das “principais organizações globais de saúde e autoridades locais de saúde” e direcionaria os usuários a fontes de informação mais autorizadas, como a Organização Mundial da Saúde. O Facebook também disse que havia fornecido créditos gratuitos ajude as organizações a executar campanhas educacionais sobre coronavírus.

Enquanto a comunidade global de saúde pública trabalha para manter as pessoas seguras, o Facebook apóia seu trabalho de várias maneiras, principalmente trabalhando para limitar a disseminação de informações erradas e conteúdo prejudicial sobre o vírus e conectando pessoas a informações úteis”, Kang-Xing Jin , Chefe de saúde do Facebook, disse no post.

Fotos e vídeos que revelam Informações erradas sobre o coronavírus

veiculação de Informações erradas sobre o coronavírus

A decisão da gigante da tecnologia de remover informações falsas e enganosas ressalta o vasto desafio que as autoridades de saúde pública de todo o mundo enfrentam ao lidar não apenas com o coronavírus que se espalha rapidamente, mas também com os efeitos de informações imprecisas que proliferam rápida e amplamente nas mídias sociais. Essa desinformação ameaça assustar os pacientes ou distorcer suas decisões sobre a possibilidade de procurar atendimento.

As ações se tornaram aparentes depois que as autoridades de saúde do condado de Los Angeles descobriram uma carta falsa – emitida sob seu nome – que dizia incorretamente que havia um surto local de coronavírus. “Não há ameaça imediata ao público em geral, não são necessárias precauções especiais e as pessoas não devem ser excluídas de atividades com base em sua raça, país de origem ou viagens recentes se não tiverem sintomas de doenças respiratórias”, afirmou o condado. disse em um comunicado. Um porta-voz não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Os primeiros sinais de problemas nas mídias sociais a respeito das Informações erradas sobre o coronavírus surgiram no fim de semana: no Facebook, Twitter e no YouTube, alguns usuários começaram a compartilhar informações incorretas sobre o coronavírus e suas origens, o número de pessoas afetadas e a maneira como a doença se espalhou. As informações foram compartilhadas por meio de postagens e vídeos enganosos ou falsos que receberam milhares de compartilhamentos e visualizações.

Algumas das falsidades mais difundidas no Facebook alegaram erroneamente que o governo dos EUA criou o coronavírus ou vendeu informações imprecisas sobre curas que na verdade não existem. O Facebook começou a rotular essas postagens e rebaixá-las nos feeds de notícias dos usuários, uma vez que seus verificadores de fatos desmentiram as alegações.

Mas algumas das postagens enganosas continuaram disponíveis no site de redes sociais, principalmente em grupos privados que surgiram para discutir o coronavírus, informou o Washington Post na segunda-feira. Aparentemente, o Facebook mudou sua decisão de remover completamente o material suspeito.

O Twitter e o YouTube lidaram com mitos semelhantes em seus serviços. Na quarta-feira, porém, o Twitter disse que não havia visto “tentativas coordenadas significativas de espalhar desinformação em escala sobre esse problema”. A empresa estimou que seus usuários haviam enviado mais de 15 milhões de tweets nas últimas semanas relacionados ao coronavírus nas últimas semanas. Os usuários que o pesquisam no site recebem um link para informações oficiais fornecidas pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Enquanto isso, o YouTube ainda não retirou alguns vídeos que vendiam informações falsas, incluindo curas que não existem. Na quinta-feira, a empresa enfatizou em comunicado que está priorizando resultados oficiais nas pesquisas para o coronavírus. Na busca, o Google também disse que lançou um link especial que direciona as pessoas para a OMS.

Fonte: The Washington Post

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: