Ideias e Marketing

Empreendedores digitais chegam a lucrar R$ 100 mil mensais com infoprodutos

Os infoprodutos se tornaram a grande bola da vez para driblar a crise econômica. Para este ano, o mercado digital pretende atingir a marca de R$ 20 bilhões em venda de e-books, cursos online, podcasts, entre outros.

Segundo o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística –, o número de desempregados no Brasil no primeiro trimestre de 2019, foi de 13,4 milhões de pessoas. Com as empresas ainda em processo de recuperação e a falta de oportunidade no mercado de trabalho, fizeram com que inúmeros cidadãos buscassem alternativas de renda, surgindo assim, diversos empreendedores por todos os cantos do país.

Edson Moreira, CEO & Founder da TurboMKT, é especialista em mercados digitais.

Com o avanço da internet – no Brasil são mais de 116 milhões de usurários –, o mercado de infoprodutos é um dos que mais crescem. Democrático e com investimento inicial baixo (comparado aos outros empreendimentos), esse nicho é ideal para quem tem boas ideias. “Não existe nenhum negócio tão lucrativo quanto o infoproduto. A escala é praticamente infinita com variações insignificantes nos custos. Basta tempo e dedicação para compartilhar conhecimento e transformá-lo em algo que pode fazer a diferença na vida de outra pessoa”, declara o CEO & Founder da TurboMKT, Edson Moreira.

Foi o que aconteceu com Cristiane Triunpho Marques, esteticista com mais de 15 anos de experiência. Para driblar a crise econômica, Cristiane decidiu ensinar o que sabia, por meio das redes sociais. A busca por uma renda extra começou de forma simples, com vídeos feitos pelo celular e distribuição do conteúdo gratuito. “As visualizações cresceram, então, transformei os vídeos em cursos online. Naturalmente, veio a necessidade de aprender mais sobre marketing digital, já que eu tinha conhecimento e feedback positivo dos meus clientes. Montei uma pequena estrutura na lavanderia de casa e a evolução foi rápida”, revela Cristiane, que possui oito cursos online a venda, além de ministrar cursos presenciais em todo o país.

Cristiane Marques é infoprodutora e fatura cerca de R$ 100 mil por mês

Há três anos, quando lançou o primeiro curso, Cristiane faturou em sete dias cerca de R$ 20 mil e viu a sua página do Facebook com 600 seguidores passar para mais de 50 mil. Atualmente, o faturamento da empresa chega a R$ 100 mil mensais. “Ter uma boa plataforma de vendas para a comercialização do negócio é fundamental. Mas não podem faltar empenho e estudo sobre marketing digital”, salienta a esteticista.

Tendência mundial, o mercado de infoproduto pode ultrapassar em 2019 a cifra de R$ 20 bilhões somente no Brasil, segundo pesquisa da Digital Adspend 2018 da IAB Brasil – Interactive Advertising Bureau. “Para alcançar o sucesso é preciso criar um infoproduto que esteja conectado com a sua paixão. Falham os infoprodutores que não focam na transformação das pessoas e pensam exclusivamente em ganhar dinheiro. Nosso foco está nos empreendedores que levam a sério os negócios digitais”, revela Moreira.

A TurboMKT, eleita uma das três melhores startups de 2019 na categoria Inovação Digital, pelo Prêmio da ABComm – Associação Brasileira de Comércio Eletrônico –, traz como um dos seus principais diferenciais o programa de aceleração digital, onde o usuário (produtor do infoproduto) preenche uma aplicação e a equipe da TurboMKT ajuda no planejamento para a criação do infoproduto e, assim, conquistar as primeiras vendas. “A utilização das nossas ferramentas é gratuita, sem taxa de adesão ou mensalidades. O infoprodutor paga uma taxa de 7,9% sobre o valor de cada venda transacionada na plataforma – uma das menores do mercado – para que mais produtos sejam lançados, e assim, mais usuários sejam impactados com o conteúdo, criando uma enorme corrente do bem.”

Moreira ainda aconselha que é preciso muita pesquisa e estudo para crescer neste mercado, pois as exigências para o empreendedorismo digital são as mesmas do tradicional. O empreendedor precisa se perguntar se há alguém disposto a pagar pelo que ele quer oferecer e se as vendas serão suficientes para gerar um lucro que compense o esforço demandado. “Se a resposta for negativa ou incerta, é mais seguro voltar a planejar e, se necessário, repensar e inovar o que se tinha em mente, para evitar prejuízos e frustrações”, finaliza.

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: