Dicas

Declaração do Imposto de Renda, tire todas as suas dúvidas sobre o tema

Saiba o que fazer para não ter problemas com o Leão!

15 / 100 SEO Score

Todo começo de ano traz uma certa apreensão em relação ao dinheiro. Primeiro é preciso lidar com IPTU, IPVA, matrícula escolar, materiais e ainda pagar as despesas do final de ano, que às vezes ainda se arrastam para o início do próximo.

Depois que passa este primeiro momento, logo chega o mês de março, quando costuma iniciar o prazo para a declaração do Imposto de Renda de Pessoa Física (IPRF), e o ideal é cumprir com as suas obrigações o quanto antes para não ficar sem tempo.

Porém, você sabe quem é obrigado a declarar? Como fazer isso? Existe algum aplicativo que possa ajudar no preenchimento? Dá para fazer sozinho ou é preciso ter a ajuda de um contador? Mudou alguma coisa em relação ao ano passado?

Se você tem essas e outras dúvidas, saiba que veio ao lugar certo. Vamos esclarecer o que você precisa saber para que o IRPF 2020 seja bem simples, prático e não traga dores de cabeça!

Dúvidas (e respostas) sobre a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2020

Com um guia desses, ficará muito mais fácil saber como proceder com a sua declaração!

Qual é o prazo para entregar a declaração do IRPF 2020?

A entrega iniciou no dia 02 de março e pode ser feita até 30 de abril. Quem não cumprir o prazo terá que pagar uma multa equivalente a 1% ao mês do imposto devido, com mínimo de R$ 165,74 e máximo de 20% do imposto devido, valor devidamente corrigido com juros proporcionais à taxa Selic.

Quem precisa declarar o IRPF?

Todas as pessoas que se enquadram em pelo menos uma das situações abaixo:

  • Recebeu mais de R$ 28.559,70 em rendas tributáveis no ano, entre as quais são considerados salário, aluguel, aposentadoria e afins. Na média, é preciso que a renda mensal tenha sido superior a R$ 2.379,97.
  • Recebeu mais de R$ mil em rendas não-tributáveis, isentas ou tributadas na fonte, como rendimentos de poupança ou indenizações trabalhistas.
  • Lucrou com a venda de bens, como imóveis comerciais ou residenciais.
  • Recebeu mais de R$ 142.798,50 em atividades rurais ou tem algum prejuízo rural que deva ser compensado no ano-salário de 2019 ou nos anos seguintes. Na média, o valor mensal deve ter sido superior a R$ 11.899,87.
  • Comprou ou vendeu ações na Bolsa de Valores, independentemente da quantia movimentada.
  • Era o proprietário de bens cujo valor seja superior a R$ 300 mil.
  • Vendeu um imóvel e adquiriu um novo em um intervalo menor ou igual a 180 dias, apenas em casos em que a isenção de Imposto de Renda foi feita no momento da venda.
  • Começou a morar no país em algum momento de 2019 e ficou no Brasil até 31 de dezembro.

É possível deduzir algum valor?

Sim. Alguns gastos são classificados como dedutíveis, como os seguintes:

  • Despesas médicas;
  • Plano de saúde de dependentes;
  • Pensão alimentícia, desde que haja uma decisão judicial ou acordo devidamente homologado ou firmado em cartório que determine seu pagamento;
  • Despesas com educação, apenas para casos de creche, pré-escola, ensino fundamental, médio e superior até o nível de pós-graduação, cursos profissionalizantes e técnicos.

É importante ressaltar que você deve ter todos os comprovantes dos gastos dedutíveis. Caso contrário, pode ter problemas no futuro.

Podem ser incluídos dependentes?

Sim. Cada dependente permite a dedução de R$ 2.275,08. As seguintes pessoas podem ser classificadas como suas dependentes:

  • Cônjuge;
  • Companheiro com quem o contribuinte viva há mais de cinco anos;
  • Companheiro com quem o cônjuge tenha um ou mais filhos em comum;
  • Filhos ou enteados de até 21 anos de idade. Para os que estiverem cursando ensino superior ou escola técnica de segundo grau, a faixa etária sobe para 24 anos;
  • Filhos ou enteados incapacitados física ou mentalmente para trabalhar, independente de qual seja sua idade;
  • Irmão, neto ou bisneto sem sustento de núcleo familiar de quem o contribuinte seja responsável judicial com até 21 anos ou sem limite de idade para os que são incapacitados para o trabalho;
  • As mesmas pessoas do item anterior, com exceção dos familiares incapacitados para trabalho, na faixa etária de 21 a 24 anos, desde que estejam cursando o ensino superior ou técnico de segundo grau e que a guarda judicial tenha sido detida até 21 anos de idade;
  • Pais, avós e bisavós cujos rendimentos de qualquer natureza tenham sido de até R$ 22.847,76 em 2019. Também se aplicam os sogros e sogras de ambos cônjuges, desde que estes não tenham recebido mais de R$ 22.847,76 e que os cônjuges declarem o IRPF em conjunto;
  • Pessoas absolutamente incapazes de quem o contribuinte seja tutor ou curador.

Houve alguma mudança em relação ao ano anterior?

Sim. Até o ano de 2019, era possível abater as contribuições pagas ao INSS de empregados domésticos do Imposto de Renda. Porém, a norma não foi renovada pelo Governo Federal e o valor não pode mais ser deduzido.

Existe algum aplicativo que facilita o processo?

Sim. Além do tradicional programa para computador, também existe o aplicativo “Meu Imposto de Renda”, do Governo Federal, que permite que a declaração seja feita através de tablets e smartphones. Ele está disponível para Android e iOS.

É preciso o auxílio de um contador para declarar o Imposto de Renda?

Não obrigatoriamente. Se o contribuinte conseguir realizar o processo ou mesmo solicitar a ajuda de algum amigo, colega ou parente que não seja contador, não é necessário recorrer a um contador para o processo.

Porém, como tais profissionais possuem um grande conhecimento sobre o tema, bem como sobre as exigências, deduções e exceções existentes, vale a pena procurar por sua ajuda, especialmente em casos em que o contribuinte não tem tanta certeza sobre como proceder.

Vale ressaltar que este é um procedimento que geralmente é cobrado, mas que pode compensar para evitar erros e falhas no preenchimento da declaração.

Pode ser necessário pagar algum valor à Receita Federal?

Sim. Pode ser que depois do preenchimento de todas as informações solicitadas, o programa ou o app indiquem que há imposto a pagar sobre a declaração emitida. Neste caso, o valor deve ser quitado para não ter problemas com a Receita Federal. Porém, para ter certeza, é preciso preencher toda a declaração.

Existe a possibilidade de restituição?

Sim. Pode ser que você tenha pago mais imposto do que deveria durante o ano. Neste caso, há um valor devido a se receber de volta da Receita Federal, cujo pagamento será feito em cinco lotes ao longo de 2020, entre 29 de maio e 30 de setembro.

Preencha o Imposto de Renda com cuidado e evite problemas!

É normal ficar um pouco tenso, mas no final das contas, o preenchimento não é nenhum bicho de sete cabeças. Se você tiver alguma dúvida, o melhor a se fazer é buscar o auxílio de um contador ou de outra pessoa com experiência para ajudá-lo no preenchimento das informações.

Fonte: Bom Pra Crédito

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: