Saúde

Como os nossos hormônios afetam a nossa pele?

Entenda como as alterações hormonais afetam a oleosidade da pele e como o seu ciclo menstrual está relacionado a isso

Nossa pele não é estável e diversos fatores contribuem para que ela mude ao longo da vida. Um deles é a própria passagem do tempo, que causa marcas e rugas na velhice e aumento de acnes na adolescência, por exemplo. Por isso, os cuidados com a pele devem ser constantes, ao longo de toda a vida.

Fatores externos, como temperatura, umidade e exposição ao sol e poluição também alteram o aspecto da pele humana e devem ser levados em conta. No entanto, os nossos hormônios também são grandes influenciadores e podem afetar a pele de diversas maneiras. É sobre eles que vamos falar a seguir.

Testosterona e estrogênio mexem com a oleosidade

As glândulas sebáceas são as maiores responsáveis por controlar a oleosidade da nossa pele, pois são elas que produzem e secretam o sebo — aquele óleo que dá para notar no rosto de quem tem pele oleosa (falaremos mais disso a seguir).

Essas glândulas são bastante influenciadas pelos nossos hormônios, em especial os do tipo androgênio, como a testosterona. Apesar de ser conhecido como o hormônio sexual masculino, ele está presente em homens e mulheres e costuma aumentar a produção de sebo.

É por conta desses hormônios androgênios, que aumentam durante a adolescência, que meninos e meninas percebem um aumento da oleosidade na pele nessa fase, e isso está diretamente relacionado com o surgimento de cravos e espinhas.

Hormônio produzido pelos ovários, o estrogênio é outro que pode afetar a oleosidade da pele. É por isso que muitas mulheres experimentam mudanças ao longo do ciclo menstrual. Muitas relatam que a produção de sebo aumenta na semana que antecede e também durante a menstruação.

Além de afetar a oleosidade, alguns estudos também dizem que o estrogênio está relacionado à produção de colágeno, proteína fundamental para a elasticidade da firmeza da pele. A hidratação também pode ser afetada pela falta ou pelo excesso desse hormônio.

Sendo assim, qualquer desregulação desses hormônios também tem grandes chances de afetar a aparência da pele. Por conta disso, o endocrinologista pode ser um aliado do dermatologista nos tratamentos de pele. Em muitos casos, deve-se começar regulando os hormônios.

Como o ciclo menstrual e até mesmo a menopausa podem ter efeitos na aparência das mulheres, alguns especialistas recomendam tratamentos específicos que levem esses fatores em consideração. No período pré-menstrual, por exemplo, pode ser o caso de usar produtos adstringentes ou sabonete específico para pele mais oleosa.

Outro ponto que merece destaque é a Síndrome do Ovário Policístico (SOP), um problema nos ovários femininos, que costuma aumentar o nível de hormônios masculinos no organismo. Como já vimos, isso pode afetar a oleosidade da pele e ainda aumenta o risco de surgimento de manchas.

A espinha pode ter origem hormonal

As espinhas (ou acne) são inflamações provocadas pela obstrução das glândulas sebáceas e podem ser influenciadas por vários fatores, incluindo os hormônios.

Quando eles estão desregulados, já vimos que podem fazer nosso corpo aumentar a produção de sebo. Essa oleosidade pode se unir a células mortas da região, obstruindo os poros e fazendo aparecer as desconfortáveis espinhas.

Na adolescência, os hormônios estão em polvorosa e é por isso que as primeiras acnes costumam aparecer (e persistir) nessa época. Na vida adulta, no entanto, esse é um problema que acontece com menor frequência, embora algumas pessoas  possam continuar experimentando espinhas hormonais.

Se você é mulher e nota a aparição de acnes no período pré-menstrual e durante o sangramento, essa pode ser a causa, como já explicamos acima. Nesse caso, tome cuidados extras para eliminar a oleosidade.

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo