Curiosidades

Como o compliance pode atuar em assédio moral virtual no trabalho

Com o home office, as práticas abusivas mudaram, mas não deixaram de existir.

Os relatos de assédio moral virtual no trabalho durante a pandemia da Covid-19 acendem o alerta sobre a necessidade de uma atuação em conjunto dos setores de Compliance e Recursos Humanos nas empresas. O primeiro tem a responsabilidade de prevenir e combater práticas irregulares no ambiente corporativo, enquanto o segundo atua na gestão de pessoas, o que inclui o bem-estar e a motivação da equipe.

De acordo com o Tribunal Superior do Trabalho (TST), o assédio moral caracteriza-se pela “exposição de pessoas a situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho”, o que pode ocorrer por meio de “comportamentos, palavras, atos, gestos ou escritos que possam trazer danos à personalidade, à dignidade ou à integridade física e psíquica”. Para o TST, o assédio moral é uma forma de violência que tem o propósito de desestabilizar emocional e profissionalmente o trabalhador.

Com a implantação do teletrabalho, em função da necessidade de isolamento social para conter a disseminação da Covid-19, a expectativa era pela redução dessa prática. No entanto, a realidade mostrou-se diferente: o assédio moral mudou de formato, mas ainda acontece nas organizações e tem impactado diretamente a saúde e o bem-estar dos colaboradores.

Ao longo de 2020, 1.625 casos de assédio moral e 79 de conduta foram julgados pelo TST. No entanto, esses números tendem a ser menores do que o total de casos, uma vez que a dificuldade de comprovar a situação e o medo de perder o emprego fazem com que muitos trabalhadores não denunciem os abusos. 

Como identificar o assédio moral virtual

Na convivência entre telas, as práticas de assédio moral mudaram. Aprender a identificá-las é necessário para o trabalho de prevenção e coibição.

Um conjunto de ações pode caracterizar esse tipo de violência como: gritos e palavras ofensivas; cobrança excessiva de produtividade; ausência de horário de trabalho delimitado, o que engloba o envio de mensagens fora do expediente; desmerecimento do trabalhador que está em home office; atitudes discriminatórias; exclusão do funcionário; críticas à casa ou presença dos filhos durante reunião on-line; ameaça de demissão; dentre outros.

A psicóloga do Sindicato dos Servidores da Justiça de 2ª Instância de Minas Gerais (Sinjus-MG), Luciana Gaudio, alerta sobre a importância de compreender a configuração dessa prática. “O assédio moral tem um aspecto que, muitas vezes, pode ser sutil”, alerta. “Nas novas configurações de trabalho na pandemia, o assédio moral também vai ganhando novos contornos.” A especialista falou sobre o tema durante a live “Assédio Moral no Trabalho Remoto”, realizada pelo Sinjus-MG.

Brasileiros trabalham até 40 horas a mais no home office

Pesquisa realizada pela Oracle e Workplace Intelligence em 11 países, incluindo o Brasil, revelou que a saúde mental dos trabalhadores ficou mais fragilizada durante a pandemia. Com o home office, a fronteira entre trabalho e vida pessoal tornou-se mais confusa, e 42% dos brasileiros passaram a trabalhar 40 horas a mais por mês. 

O levantamento também mostrou que 70% dos profissionais do país enfrentaram mais estresse e ansiedade no trabalho em 2020, na comparação com qualquer outro ano. Essa situação ocasionou problemas como insônia (53%) e o diagnóstico da Síndrome de Burnout (21%).

A pressão para atender padrões de desempenho foi apontada por 44% dos entrevistados como a principal dificuldade nesse período. Lidar com uma jornada de trabalho imprevisível foi citado por 39%.

Como o compliance deve agir

O setor de Compliance deve disseminar uma cultura organizacional contra o assédio. Isto deve ser feito a partir de diretrizes internas que precisam ser amplamente divulgadas a todos os colaboradores, incluindo a alta direção. Para isso, podem ser utilizados os canais de comunicação da empresa. 

A realização de campanhas e treinamentos internos sobre o tema, ação que pode ser realizada em conjunto com o setor de Recursos Humanos, contribui para a prevenção de práticas abusivas nas relações de trabalho e, também, para o colaborador identificar irregularidades.

Outro ponto importante é ter um canal de denúncias que ofereça segurança para os funcionários informarem esse tipo de problema, inclusive com a opção de anonimato do denunciante. As informações recebidas devem ser investigadas e, uma vez constatadas, é preciso garantir a aplicação das sanções previstas pela organização. 

O desvio de conduta moral de um ou mais profissionais é responsável por prejudicar a imagem e a reputação corporativa. De acordo com a pesquisa Riscos de Conduta 2021, 85% das empresas do país afirmam ter canais de denúncia preparados para receber informações sobre irregularidades, dentre elas, o assédio moral.

O estudo foi realizado pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), o Instituto dos Auditores Internos do Brasil (IIA Brasil), a Associação de Examinadores Certificados de Fraudes (ACFE Brasil), a Câmara de Comércio Internacional (ICC Brasil) e a consultoria Deloitte. As instituições sugerem uma integração interna entre os diferentes setores das empresas, incluindo a alta direção, para o empenho em prevenir e coibir os desvios de conduta. 

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: