realidade aumentada afeta o comportamento

Como a realidade aumentada afeta o comportamento das pessoas

Enquanto grandes empresas de tecnologia correm para lançar produtos de realidade aumentada, os pesquisadores de Stanford estão aprendendo como isso afeta o comportamento das pessoas – tanto no mundo físico quanto no digital.

Em um novo estudo liderado por Jeremy Bailenson, professor de comunicação da Faculdade de Ciências Humanas e Ciências, os pesquisadores descobriram que a realidade aumentada afeta o comportamento das pessoas, depois de uma experiência em realidade aumentada (RA), simulado pelo uso de óculos que projetam conteúdo gerado por computador em ambientes do mundo real, suas interações no mundo físico também mudaram, mesmo com o dispositivo RA removido.

Por exemplo, as pessoas evitavam sentar em uma cadeira que tinham acabado de ver uma pessoa virtual sentar. Os pesquisadores também descobriram que os participantes pareciam ser influenciados pela presença de uma pessoa virtual de um modo semelhante ao que seriam se uma pessoa real estivesse ao lado deles.

“Descobrimos que o uso de tecnologia de realidade aumentada pode mudar onde você anda, como vira a cabeça, como você se sai bem em tarefas e como se conecta socialmente com outras pessoas físicas na sala”, disse Bailenson, coautor da pesquisa juntamente com os alunos de pós-graduação Mark Roman Miller, Hanseul Jun e Fernanda Herrera, que são os autores principais.

Suas descobertas refletem grande parte da pesquisa que Bailenson fez sobre realidade virtual (RV). Enquanto a RV tenta simular um ambiente real e tirar o usuário da configuração atual, a tecnologia de RA coloca camadas de informações digitais sobre o ambiente físico do usuário.

Nos últimos anos, muitas empresas de tecnologia se concentraram no desenvolvimento de óculos de realidade aumentada e outros produtos, afastando-se de sua ênfase anterior na realidade virtual, disse Bailenson.

Bailenson disse que os óculos RA de hoje podem projetar uma versão realística em 3D de uma pessoa real em tempo real no ambiente físico dos usuários de óculos. Isso permite que grupos de pessoas em todo o mundo façam contato visual e se comuniquem de forma não verbal de outras maneiras diferenciadas, algo que a videoconferência se esforça para alcançar.

“A realidade aumentada poderia ajudar a crise da mudança climática ao permitir reuniões virtuais realistas, o que evitaria a necessidade de o gás se deslocar ou voar para reuniões presenciais”, disse Bailenson. “E essa pesquisa pode ajudar a chamar a atenção para as possíveis conseqüências sociais do uso de RA em larga escala, para que a tecnologia possa ser projetada para evitar esses problemas antes de se tornar onipresente”.

Realidade aumentada afeta o comportamento, pesquisando efeitos de RA

Para examinar como a RA afetou a forma como as pessoas se comportavam em situações sociais, os pesquisadores recrutaram 218 participantes e conduziram três estudos. Nos dois primeiros experimentos, cada participante interagiu com um avatar virtual chamado Chris, que se sentava em uma cadeira real na frente deles.

O primeiro estudo replicou uma descoberta tradicional de psicologia conhecida como inibição social. Assim como as pessoas realizam tarefas fáceis com facilidade e lutam com as mais desafiadoras quando têm uma pessoa observando-as no mundo real, o mesmo se aplica quando um avatar estava observando os participantes do estudo em realidade aumentada, descobriram os pesquisadores.

Os participantes do estudo completaram anagramas fáceis com mais rapidez, mas tiveram um desempenho ruim nos complexos quando o avatar Chris era visível em seu campo de visão AR.



Outro estudo testou se os participantes seguiriam os sinais sociais aceitos ao interagir com o avatar Chris. Isso foi medido rastreando se os participantes se sentariam na cadeira em que o avatar Chris estava sentado anteriormente.

Os pesquisadores descobriram que todos os participantes que usavam o fone de ouvido AR sentaram-se na cadeira vazia ao lado de Chris, em vez de ficarem sentados no avatar. Dos participantes que foram convidados a tirar o fone de ouvido antes de escolher seu assento, 72% ainda optaram por sentar na cadeira vazia ao lado de onde Chris estava sentado anteriormente.

Conexões sociais afetadas

“O fato de que nem um dos sujeitos com fones de ouvido tomou o assento onde o avatar estava foi uma surpresa”, disse Bailenson. “Estes resultados destacam como realidade aumentada afeta o comportamento, o conteúdo AR se integra ao seu espaço físico, afetando a maneira como você interage com ele. A presença de conteúdo AR também parece se prolongar depois que os óculos são retirados”.

No terceiro estudo, os pesquisadores examinaram como o RA afeta a conexão social entre duas pessoas que estão conversando enquanto uma delas usa um headset AR. Pesquisadores descobriram que aqueles usando óculos de proteção AR relataram se sentir menos conectados socialmente ao seu parceiro de conversação.

Bailenson disse que estudos adicionais, que ele e sua equipe estão trabalhando agora, são necessários para examinar mais detalhadamente os efeitos da realidade aumentada.

“Este trabalho arranha a superfície dos custos e benefícios psicossociais do uso da AR, mas muita pesquisa é necessária para entender os efeitos dessa tecnologia à medida que ela aumenta”, escreveram os pesquisadores.

Esta pesquisa foi apoiada por dois subsídios da National Science Foundation.

Fonte: Science Daily

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: