Erro no banco de dados do WordPress: [UPDATE command denied to user 'u509014324_eder'@'127.0.0.1' for table 'wp_options']
UPDATE `wp_options` SET `option_value` = '1576365071.8667669296264648437500' WHERE `option_name` = '_transient_doing_cron'

Qual a cidade mais poluída? É impossível saber • Suprimatec
Curiosidades

Qual a cidade mais poluída? É impossível saber

“Muitas vezes vejo rankings da cidade mais poluída do mundo”, diz Randall Martin, professor do departamento de engenharia energética, ambiental e química da McKelvey School of Engineering da Washington University em St. Louis.

“Esses rankings são enganosos”, diz ele, “porque não há informações suficientes para saber”.

Em um artigo no Atmospheric Environment: X, Martin descreve a extensão da lacuna entre o que os pesquisadores sabem e não sabem sobre os níveis de partículas finas no solo, também conhecidos como PM2.5.

O número refere-se ao tamanho de certas partículas no ar que constituem poluição – elas são 2,5 mícrons e menores; para escala, um cabelo humano tem cerca de 70 mícrons de diâmetro. Essas partículas podem ser compostas de qualquer coisa, como poeira e subprodutos da indústria. Devido ao seu tamanho, eles podem viajar pelo trato respiratório do corpo e depositar-se nos pulmões.

Os impactos na saúde de PM2.5 começam com danos cardiovasculares e pioram a partir daí. A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico estima mundialmente que o custo associado a mortes prematuras por poluição aumentará de US $ 3 trilhões em 2015 para US $ 18-25 trilhões até 2060.

Falta de bons dados

Entender a quantidade de poluição no ar requer monitoramento no solo, mas muitas cidades – ostensivamente algumas com altos níveis de PM2,5 – não têm monitoramento algum. Na Índia, por exemplo, há apenas um monitor para cada 6,8 milhões de pessoas. Esse monitoramento escasso não representa a variabilidade da poluição.

Martin e seus colegas descobriram que apenas 9% da população mundial vive em áreas com mais de três monitores por milhão de pessoas. Cerca de 18% da população vive em áreas sem monitoramento.

“Embora os efeitos na saúde do PM2.5 sejam avaliados em alguns por cento do PIB global, o PM2.5 está sub-monitorado”, diz Martin. “A diferença entre a importância desta medida e o nível de monitoramento baseado no solo é chocante”.

Além de mitigar preocupações com a saúde, uma melhor compreensão da poluição no solo é importante por várias razões. Para Martin, cuja pesquisa está na interseção de sensoriamento remoto e modelagem global, ter dados precisos é a única maneira de desenvolver modelos precisos.

“Parte de nossa análise envolve relacionar o que os satélites medem ao PM2.5 no nível do solo”, diz ele. “Se dependêssemos apenas de monitores baseados em terra, teríamos informações insuficientes”.



Identificando a cidade mais poluída

A fim de melhorar os dados no nível do solo, Martin e seus colegas propõem uma “estrutura integrada de monitoramento” robusta composta de diferentes tipos de equipamentos de monitoramento focados nas áreas mais densamente povoadas, ou mesmo naquelas mais propensas à variabilidade. Eles calculam que, para atingir uma meta de um monitor por milhão de pessoas, milhares de novos monitores precisarão ficar on-line.

Além disso, Martin e seus colegas sugerem que essa estrutura deve incluir medições em aerossol baseadas em terra, monitores inovadores de baixo custo, monitoramento móvel e medições em diferentes pontos ao longo da vertical (por aeronave, por exemplo). A integração desses sistemas não apenas ajudaria os pesquisadores a obter uma visão mais abrangente dos níveis de PM2,5 no solo, mas também ajudaria na previsão da qualidade do ar e ajudaria a melhorar os modelos atmosféricos.

“A capacidade de identificar a localização da cidade mais poluída em um indicador de progresso científico”, diz Martin. “É importante poder responder a perguntas básicas sobre algo importante. O impulso para superar este desafio fala de algo fundamental sobre o nosso conhecimento do mundo ao nosso redor”.

O apoio para o trabalho veio do Conselho de Pesquisa em Ciências Naturais e Engenharia do Canadá.

Fonte: Universidade de Washington em St. Louis. Estudo Original DOI: 10.1016/j.aeaoa.2019.100040. Publicado originalmente em Futurity.org

Etiquetas
Mostrar mais

Eder Oelinton

Jornalista, amante de tecnologia e curioso por natureza. Busco informações todos os dias para publicar para os leitores evoluírem cada dia mais. Além de muitas postagens sobre varias editorias!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar