A Inteligência Artificial da Google já fala e é uma mulher

Sephen Hawking é um físico, cosmólogo, autor e o “fodão” da teoria no setor acadêmico. Não há nenhuma dúvida em minha mente que ele é um dos mais inteligentes seres humanos que jamais existiu. Provavelmente você já sabia disso.

O que você talvez não saiba é que ele é incrivelmente cauteloso quando se trata de inteligência artificial (IA). Eu li pela primeira vez sobre seu ceticismo em dezembro 2014, quando ele se sentou para uma entrevista com a BBC para falar sobre os perigos da IA. Vamos apenas dizer que ele não mudou muito seus pontos de vista.

“O desenvolvimento da inteligência artificial completa pode significar o fim da raça humana”, diz Hawking em sua entrevista.

Esse argumento surgiu quando o entrevistador e Hawking estavam discutindo a tecnologia que alimenta as suas comunicações, que envolve formas básicas de IA e aprendizagem automática. Na verdade, a empresa britânica SwiftKey tem sido fundamental na evolução de sua tecnologia: ela aprende como Hawking pensa e oferece sugestões sobre o que ele poderia querer dizer em seguida.

[pub_quadro_google]

De acordo com a entrevista à BBC, Hawking afirma que as formas de IA que desenvolvemos até agora, como SwiftKey, provaram ser úteis. Mesmo assim, ele argumenta que as consequências da criação de algo que pode igualar ou superar a humanidade provavelmente não vai acabar bem.

“Ela [IA] iria decolar por conta própria, e se reinventar e reconstruir infinitamente, a um ritmo cada vez maior”, afirma Hawking na entrevista.

Cerca de um ano após a entrevista com a BBC ir ao ar Hawking falou na conferência Zeitgeist em Londres este ano. Ele atenuou um pouco seus sentimentos expressos em 2014, mas com os avanços da tecnologia no ano passado, ele ficou mais ousado em suas afirmações.

Como seria o apocalipse gerado pela inteligência artificial

Por Hawking, parte do problema é que nós precisamos certificar que as pessoas que controlam a IA agora estão sendo responsável com ela. Eles estão, ele reconhece isso, mas também quer que eles se prepararem para o futuro. Isto é, Hawking se preocupa com ou sem uma iteração futura se a IA poderá ser contida e controlada totalmente.

“Os computadores vão ultrapassar os seres humanos com a IA em algum momento dentro dos próximos 100 anos”, ele foi citado como tendo dito isso na Conferência Zeitgeist.

E Hawking não é o único que tem esse medo também. Há outros que se preocupam com o futuro da IA;  Elon Musk está sendo outro nome proeminente entre eles. No entanto, como qualquer argumento, porém, existem dois lados.

Alguns outros pensam que viver com medo da IA é equivocado. O principal deles é o CEO e co-fundador da Google, Larry Page, que recentemente sancionou a criação de uma nova IA, construído na modelagem de conversação. A equipe que está trabalhando no projeto lançado recentemente sobre a sua investigação no mundo da IA.

“A modelagem de conversação é uma tarefa importante na compreensão da linguagem natural e inteligência da máquina. Apesar de existirem abordagens anteriores, eles são muitas vezes restritos a domínios específicos (por exemplo, a reserva de uma passagem aérea) e exigem regras artesanais “, diz o jornal. “Nosso modelo de conversa prevendo a próxima frase dada a frase anterior em uma conversa. A força do nosso modelo é que ele pode ser treinado infinitamente e, portanto, requer muito menos regras artesanais”.

Para abastecer a AI com alguma estrutura a Google adicionou o conhecimento a partir de conjuntos de dados específicos de domínio, bem como, grandes conjuntos de dados de domínio geral. O primeiro refere-se ao domínio específico de dados helpdesk de TI, este último um domínio de legendas de filmes, especificamente. A inteligência artificial será nosso próximo Einstein?

“O modelo [leia-se: IA] pode encontrar uma solução para um problema técnico via conversas. Em um domínio aberto de legendas de filme com muito ruído, o modelo pode realizar formas simples de raciocínio de senso comum. Como esperado, encontramos também que a falta de coerência é um modo de falha comum do nosso modelo”.

[vitrine_lomadee_250]

O papel em si foi lançado em 23 de junho de 2015, por isso é uma criação relativamente nova no mundo ainda está em sua infância. No entanto, ainda é uma das formas mais avançadas de IA que o mundo já viu até hoje. Então, a Google inicio-a, sentou-se e teve uma conversa legítima com a IA para ver o quão longe nós viemos. Automação e inteligência artificial irão dizimar os trabalhos da classe média

Veja como seria uma conversa com a IA

Eu peguei algumas das partes mais interessantes da transcrição e incluiu-os nas linhas abaixo. Se você ainda está interessado em ler todo o documento – que eu incentivo, é uma leitura fantástica – confira aqui. Além disso, para efeitos da presente leitura Eu abreviei “humano” como “H” e “Máquina” como “M”:

Conversação Básica

Perguntas e respostas simples

Perguntas de conhecimentos gerais

Quando questões filosóficas e existenciais entram em cena

Até agora, é tudo muito normal até este ponto. Quando a equipe entra em tópicos filosóficos você pode ver onde Musk e Hawking poderiam ficar um pouco nervosos. O futuro do extremismo: Inteligência Artificial e biologia sintética transformarão o terrorismo

Questões filosóficas

“Nossos resultados modestos mostram que a [IA] pode gerar conversas simples e básicas, e extrair conhecimento a partir de uma base de dados bagunçada, mas de um domínio aberto definido. Mesmo que o modelo tem limitações óbvias, é surpreendente para nós que dados puramente orientados, abordagens sem regras podem produzir respostas adequadas aos diversos tipos de perguntas”, diz o artigo de investigação. “No entanto, o modelo [IA] pode exigir modificações substanciais para ser capaz de entregar conversas realistas.”

Eu acho que é importante lembrar, no final do dia, que há uma linha tênue entre respeito e medo. Considerá-la parecido com dirigir um carro: a certeza terrível é que ela poderia matá-lo. No entanto, se você respeitar o poder inerente à máquina você pode dirigi-la com segurança.

Não podemos deixar que o medo governe as nossas escolhas para o futuro, mas devemos absolutamente prestar atenção às mentes brilhantes como Hawking e Musk que alertam-nos para irmos devagar. Pessoalmente, espero que aqueles que mexem com a IA atualmente estejam cientes das preocupações e atuem em conformidade. Este é um território totalmente desconhecido para a espécie humana, e obrigatoriamente é um pouco rochoso.

Esta é uma tradução livre feita por Suprimatec, de um artigo feito por Will Schmidt publicado no site Tech.co 

Crédito da Imagem: Pixabay 

 

Sair da versão mobile